Saturday, 19 September 2015

Retiro do Manuel dos Passarinhos

"Há em Lisboa um pequeno número de restaurantes ou casas de pasto [em] que, sobre uma loja com feitio de taberna decente, se ergue uma sobreloja com uma feição pesada e caseira de restaurante de vila sem comboios. Nessas sobrelojas, salvo ao domingo pouco frequentadas, é frequente encontrarem-se tipos curiosos, caras sem interesse, uma série de apartes na vida."
(in Livro do Desassossego, Bernardo Soares)

Retiro do Manuel dos Passarinhos [ c. 1910]
 A Calçada do Poço dos Mouros inicia-se na Travessa do Calado / Rua da Penha de França e termina na Rua Morais Soares.
Joshua Benoliel, in AML

 
Até ao início do século XX, esta era uma zona de hortas, quintas, retiros e, também, um dos caminhos para o cemitério do Alto de São João. Por aqui existiu o «Retiro Manuel dos Passarinhos» cuja frase publicitária ficou célebre: «Não se esqueçam na volta». Não se pretendia, pois, interromper a devoção religiosa de acompanhamento dos entes queridos, mas depois desta havia necessidade de alimentar o corpo e, porque não, com «Bons vinhos e petiscos», mesmo ali ao virar da esquina, literalmente.
[TAVARES DIAS, Marina, Lisboa Desaparecida)

Quinta (Retiro) do Manuel Passarinhos [1911]
Era um «retiro «à Rua Morais Soares/Poço dos Mouros [actual Largo Mendonça e Costa], onde os familiares e acompanhantes do defunto paravam, no regresso do Alto de S. João, para lavar as goelas e afogar saudades à sombra da parreira». [Miguéis, 1984]
Levantamento da Planta de Lisboa: 1911, Pinto, Júlio António Vieira da Silva.[Fragmento]


1 comment:

  1. Passei muitas vezes por lá,( morava por perto...) mas não sabia do retiro do Manuel dos Passarinhos. As coisas giras que aprendemos !!!!!

    ReplyDelete

Web Analytics