Wednesday, 30 September 2015

Convento das Inglesinhas

Aquele Pinto Machado — recorda Norberto de Araújo — que tinha o seu palácio na Rua do Machadinho — diminutivo que nasceu do apelido do fidalgo — , foi quem fez rasgar, depois de 1758, uma serventia já desenhada desde 1680 — Caminho Novo — na quinta de D. Francisco Xavier Pedro de Sousa, por alcunha o Quelhas, quinta na qual o fidalgo tinha sua casa, que bem pode ter sido aquela onde assentou o palácio dos Pinto Machados. [...] Depois do terramoto é que começou a chamar-se-lhe Rua do Quelhas, o tal D. Francisco de Sousa que por aqui fôra grande senhor. Por essa época começou o verdadeiro povoamento lento e seguro deste sítio, a justificar a urbanização do começo do século passado.== 
(in Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, Vol. VII, 1938)

Rua do Quelhas [c. 1909]
Paulo Guedes, in AML

O edifício do Colégio do Quelhas, 6A, era vulgarmente chamado Convento das Inglesinhas, por ter sido convento das Agostinhas de Santa Brígida (Irlandesas). Ficara desabitado desde 1834, ano em que as monjas o abandonaram, já que, embora súbditas de Inglaterra, temiam qualquer violência, em virtude do Decreto que extinguia em Portugal as Ordens Religiosas. [...] Em 1864 o Convento é adquirido pelos Jesuítas que aí mantém o Colégio de Jesus até à instauração da República e fizeram várias ampliações, nomeadamente o acréscimo de um piso em toda a ala Nordeste, o alargamento da capela com uma ala exterior a Noroeste, sobre o actual jardim, e o acrescento no mesmo sentido do corpo destacado do refeitório.

Rua do Quelhas [c. 1900]
Fotógrafo não identificado in AML

Com a chegada da República, o convento serviu para instalar o Museu da Revolução Republicana e posteriormente o Instituto Superior de Comércio, e depois o ISCEF, actualmente Instituto Superior de Economia e Gestão. As obras de restauro foram financiadas através do Plano de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) e de receitas próprias, custando no total cerca de oito milhões de euros.
O convento é hoje propriedade do ISEG, sendo o edifício mais antigo do complexo arquitectónico do instituto, com direito a referência em várias publicações nacionais e internacionais.

Rua do Quelhas [1910]
Instauração da República
António Novais, in AML

3 comments:

  1. Hey There. I found your blog using msn. This is an extremely well written article.
    I will make sure to bookmark it and return to read more of your useful
    information. Thanks for the post. I will certainly comeback.

    ReplyDelete
  2. Vale a pena acrescentar o seguinte dado:

    O edifício do Colégio, sito na Rua do Quelhas, nº 6 A, era vulgarmente chamado “Convento das Inglesinhas”, por ter sido convento das Agostinhas de Santa Brígida (Irlandesas). Ficara desabitado desde 1834, ano em que as monjas o abandonaram, já que, embora súbditas de Inglaterra, temiam qualquer violência, em virtude do Decreto que extinguia em Portugal as Ordens Religiosas.
    O enorme casarão, já meio arruinado, bem como a Igreja pública anexa, dedicada a Santa Brígida, foram comprados em 1866 por D. Maria da Assunção de Saldanha e Castro, filha dos Condes de Penamacor. A igreja e parte do Convento doou-as aos Jesuítas, na pessoa do P. Francisco Xavier Fulconis, Superior; a parte restante foi, pela mesma, doada às Irmãs de Santa Doroteia, para fundação de um colégio (que passaria a Colégio Jesus Maria José) e iniciaria a implantação da Congregação das Irmãs de Santa Doroteia em Portugal.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Está tudo no texto, por outras palavras, com excepção das últimas linhas. Grato, de qualquer modo.

      Delete

Web Analytics