sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Convento de São Francisco de Xabregas ou Convento de Santa Maria de Jesus de Xabregas.

   «Neste sitio exacto [Rua de Xabregas] se elevava na segunda metade do século XIII o Paço - melhor diriamos «pousada» - real de D. Afonso III, o Rei que fêz de Lisboa capital do Reino (1255-1256), e que nela foi o primeiro a demorar.
   Êste Paço foi pôsto em fogo pelos castelhanos do Rei D. Henrique II, que sitiaram Lisboa em 1373.
   Passados oitenta e dois anos (1455), durante os quais as ruínas se converteram em velhacouto, D. Afonso V doou estes seus terrenos e despojes de casas a D. Guiomar de Castro, Condessa de Atouguia, para esta dona fundar, como era seu desejo, um Convento de Franciscanos, da província do Algarve, intitulado de Santa Maria de Jesus; em 1460 estava a Casa construida com a ajuda de esmolas do povo, e para ela entraram em 17 de Abril nove frades vindos da Ilha Terceira. 
   A Igreja guardava algumas belas obras de arte, entre as quais um retábulo da Virgem de Guido Reni. O Terramoto reduziu tudo a cinzas. Construiu-se depois novo Convento, cuja Igreja tinha a fachada que ali vês.  

Desenho do Paço de Xabregas e parque [1571]
Da obra de Francisco de Holanda, «Da Fábrica que Falece à Cidade de Lisboa»
   
   Em 1834 os seráficos franciscanos, como tôdas as congregações, foram eliminados da vida conventual. A Igreja foi profanada. Algum tempo depois o casarão serviu de quartel a Infantaria 1, depois aos artífices engenheiros, e ainda ao Batalhão Naval que, em 1839, passou para o Quartel de Alcântara. Em 29 de Julho dêsse ano decretou o Govêrno estabelecer em parte do edifício uma Penitenciária ou Casa de Correcção, projecto insólito que não teve realização; foi nessa época também arrendado o antigo Convento à Companhia de Fiação e Tecidos Lisbonenses, que mal o habitou.  

A antiga Fábrica de Tabacos de Xabregas [1859]
Em primeiro plano, uma fragata com a bandeira da monarquia portuguesa, sobressaindo entre outras embarcações de pequeno porte. No lado esquerdo, vê-se o comboio a passar sobre a Ponte de Xabregas, cujo primeiro troço do Caminho-de-ferro do Norte foi inaugurado em 1856.
Óleo s/ tela, J. Pedrozo, in Palácio Pimenta

Em 12 de Janeiro de 1844 um incêndio devorou o edifício quási integralmente, escapando a Igreja, já profanada e algumas dependências. A fábrica de tecidos arrumou-se durante uns meses no vizinho palácio Niza, e em 1846 instalou-se no princípio da Junqueira. 

Em 1845, a Fábrica dos Tabacos Lisbonense, estabeleceu-se no antigo Convento de Xabregas.

   Em 1845, enfim, estabeleceu-se neste edifício de Xabregas a Fábrica dos 'Tabacos Lisbonense, e, após o período da Regie, passou ela (1891) a ser da Companhia dos Tabacos de Portugal, e, finalmente (1927) da Companhia Portuguesa de Tabacos.
   Claro que nestes períodos o edifício beneficiou de reparos, e foi ampliado com o prédio que faz a esquina poente da Fábrica. (ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. XV, pp. 56.57)
   A partir de 1962 a fábrica vai para o novo edifício na avenida Marechal Gomes da Costa. Na década de 1980-  na antiga igreja - esteve instalado o Teatro Ibérico
(ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. XV, pp. 56-57)

Convento de S. Francisco de Xabregas, Rua de Xabregas [1944]
Ferreira da Cunha, in AML

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics