segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Jardim Roque Gameiro

Assim chamado a partir de 1934, e apesar das dimensões reduzidas é possível aqui encontrar alguns exemplares de lódão, jacarandá e tipuana. Nas imediações do jardim existem dois quiosques, um dos quais merece destaque devido à peculiaridade da sua arquitectura - apresenta seis painéis de azulejos Arte Nova, datados de 1915, da autoria de José Pinto. Ao centro do jardim, encontra-se a escultura do «Pescador ao Leme», de Francisco Santos.

Jardim Roque Gameiro, Praça Duque da Terceira [c. 1940]
Estação fluvial 'Parceria dos Vapores Lisbonense' (1889), e estação ferroviária do Cais do Sodré (1928)

Eduardo Portugal. in AML

A escultura «Ao Leme», de Francisco Santos, situa-se ali, no Jardim Roque Gameiro, assim chamado a partir de 1934. Concebida em 1913, foi inaugurada em 1915. Pensou-se inicialmente em colocar ali a estátua de Camões, mas em seu lugar ficou esta obra de Francisco Santos, decisão que foi tomada depois do aterro ter sido concluído até ao local onde o rio corre actualmente.

Jardim Roque Gameiro, Praça Duque da Terceira [entre 130 e 1940]
Ao centro, a Estátua «Ao Leme»

Ferreira da Cunha, in AML

De realçar a boa qualidade figurativa que apresenta a obra, assim como o forte sentido de movimento que o tema exibe: a força física do marinheiro firmada na orientação do leme deixa antever a determinação do homem perante os caprichos do rio, ainda selvagem, cruzado até épocas recentes à força de braços. Ali subjacente está o tema do confronto do homem face ao ímpeto dos elementos, personificados pela inclemência do Tejo. (lisboapatrimoniocultural.pt)

Jardim Roque Gameiro, Praça Duque da Terceira [1945]
Estátua «Ao Leme»

Fernando Martinez Pozal, in AML


Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics