Friday, 4 December 2015

Café Chave d’Ouro

O Café Chave d’Ouro — um dos maiores cafés da capital no seu tempo — foi fundado em 1916 e conquistou a preferência dos lisboetas. Na fachada ostentou cerca de 20 anos um anjo esculpido em pedra de lioz e ferro, projecto da responsabilidade de Fausto Fernandes, passou depois a um estilo mais moderno quando da remodelação em 1936, dirigida pelo arquitecto Norte Júnior.

Café Chave d'Ouro, Praça Dom Pedro IV [c. 1930]
Enqudramento, lado ocidental

Estúdio Mário Novais, in AML

 Nas décadas de 40 e 50, O Café Chave d’Ouro fazia parte do quotidiano dos intelectuais e oposicionistas ao regime de Salazar. Ai se realizou a conferência de imprensa que lançou a candidatura de Humberto Delgado à presidência, em Maio de 1958. Respondendo à pergunta do correspondente da «France Press» sobre que destino daria ao dr. Oliveira Salazar caso ganhasse as eleições, proferiria a histórica frase: «Obviamente, demito-o!»

Café Chave d'Ouro, Praça Dom Pedro IV [c. 1930]
Ferreira da Cunha, in AML

Diz-se que Salazar mandou fechar o café no ano seguinte (1959), pois acreditava que este era um centro de «ódio e dissolução».
«Em 1916 foi construído o Café Chave d'Ouro. Já tinha sido uma pastelaria durante o período sidonista. O café era o "habitat" dos não-democráticos. Nele se lia o câmbio do dia, e, quando as lojas fechavam, os comerciantes reuniam-se na cave do café.»  (in Rocio/Rossio, Terreiro da Cidade)

Café Chave d'Ouro, Praça Dom Pedro IV [1941]
Kurl Pinto, in AML
Café Chave d'Ouro, Praça Dom Pedro IV [1941]
Relógio de paredeKurl Pinto, in AML

No comments:

Post a Comment

Web Analytics