quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Animatógrafo Chiado Terrasse

O animatógrafo Chiado Terrasse foi inaugurado a 12 de Junho de 1908, na Rua António Maria Cardoso (1890) [antiga do Tesouro Velho]. Era um Animatógrapho ao ar livre como se pode perceber pela noticia publicada na véspera da sua inauguração oficial:
«Chiado Terrasse: A novidade da semana é a inauguração do novo animatógrapho, ao ar livre, da rua do Thesouro Velho. Os proprietários do Chiado Terrasse contractaram uma excelente orquestra de distintos professores, para que todas as noites ali haja um magnífico concerto musical. No dia da inauguração, que só se realiza amanhã, apresentam-se sete quadros novos em Portugal. O prazível recinto será profusamente iluminado a luz eléctrica, devendo produzir óptimo efeito.» (in O Século, 11 de Junho de 1908, p. 3)
No início do século, o animatógrafo — do qual existe registo fotográfico da autoria de Benoliel —, é um edifício sóbrio, térreo, com o pano da fachada na continuação do muro do Palácio Quintela, quase como um prolongamento e com ele se confundindo, distinguindo-se pela fenestração contínua (onde se incluíam quatro vãos cegos destinados a afixar os cartazes), envazamento de cantaria, e, ao centro, um corpo alteado terminado por frontão triangular e que abrigava uma galeria fotográfica.

Animatógrafo Chiado Terrasse  [ant. 1911]
Rua António Maria Cardoso; ao fundo, o novo chafariz do Loreto.
Joshua Benoliel, in AML

O Chiado Terrasse, propriedade de Albino José Baptista sendo secretário Sabino Correia Jr, era destinado a um público mais aristocrata, uma vez que os espectadores dispunham de um serviço de restaurante.
Foi o primeiro «cinema», especialmente construido para o efeito, em Lisboa. Transformou-se desde o início numa das mais importantes salas de Lisboa, pelas suas instalações, pelos seus programas, pela sua variedade, não esquecendo o êxito do animatógrafo «falado».
Em 1910, o arquitecto Tertuliano de Lacerda Marques (1833-1942) assina o projecto, não ao acaso designado de «Alterações», destinado ao melhoramento do animatógrafo da empresa Chiado Terrasse: as estruturas existentes são aproveitadas, redesenhando-se a fachada mas construindo-se todo o interior a partir de três espaços diferenciados - um pequeno palco com camarins ao nível da sala, área superiormente ocupada pela galeria fotográfica, seguindo-se depois a plateia e o "promenoir" (esplanada), este sob o balcão, tendo no topo um pátio aberto, disfarçado para a rua com o corpo da fachada onde se localizam as bilheteiras.
Em 1911/1912, é inaugurado o cinema com a frontaria que hoje conhecemos [2ª foto].

Animatógrafo Chiado Terrasse [1911]
Rua António Maria Cardoso
Joshua Benoliel, in AML

A partir de 1916, os responsáveis deste espaço passaram a ser António Augusto Tittel e Alberto do Valle Colaço. Começam logo por fazer transformações no edifício, dando-lhe o aspecto exterior que manteria até ao seu encerramento [4ª foto], bem como a construção de um pequeno palco, que seria utilizado mais tarde por uma companhia de revista. Pouco tempo depois, mudou novamente de mãos, passando para a responsabilidade de Arthur Emúz.  Em 1921 passou a apresentar também números de variedades.

Carro de propaganda do cinema Chiado Terrasse [1911]
Largo do Chiado; Palácio do Loreto
Joshua Benoliel, in AML

Em 1972 o Chiado Terrasse cessa actividade e no final da década um projecto para transformação do cinema em edificio de escritórios conduz à lamentável demolição dos interiores.
Actualmente, do imóvel original já pouco resta para além da fachada.

Cinema Chiado Terrasse [1961]
Rua António Maria Cardoso
Arnaldo Madureira, in AML

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics