sábado, 21 de novembro de 2015

Campo Grande

«Só a lisboeta é que põe o seu barquinho a nado a noite, ainda que o ceu esteja carregado, ainda que a chuva ameace, só ella é que atravessa pulando as lamas do Chiado, colhendo as velas ao vestido, e segurando a sombrinha com a firmesa de um marinheiro experimentado que fosse ao leme. Não teme a noite, porque as noites só são temerosas na provincia, o, treva e confusão.
Vae, n'um pulo, comprar bolos para o chá, escolher um vestido ao Grandella, vae a pé para o theatro, porque não é bastante rica para ir de trem, vae à modista fazer um recommendação. vae a uma livraria comprar uma grammatica para o filho e, atravessando as ruas, pulando sobre a lama, o seu ar de honestidade defende-a, não a deixa confundir com as mulheres que vão habitualmente para as cadeiras do Colyseu e para os gabinetes dos restaurants.
A chuva ás vezes resolve-se a cair, a varrer as ruas, e a esburacal-as tambem. A lisboeta some-se, voou para casa nas azas dos seus pesinhos ligeiros. Mas a cidade não fica solitaria, morta, ouve-se de vez em quando o rodar de um trem, um pregão que passa,  de um cavallo, o assobio de um namorado.»
(PIMENTEL Alberto, Vida De Lisboa, 1900, p. 47)

Campo Grande [Início séc. XX]
Autor não identificado, in AML

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics