segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Palácio dos Arcos

Apesar de o Palácio dos Arcos ser muitas vezes associado à constante presença de D. Manuel I, o Venturoso e sua filha, nesse local, há ainda um outro facto que o faz ficar ligado eternamente à história de Portugal. Reza a tradição que foi das varandas do Palácio dos Arcos que D. Manuel I viu partirem as naus e caravelas portuguesas a caminho da Índia. Mais tarde, também outros reis de Portugal (D. Fernando, D. Luís e a rainha D. Maria Pia) se deslocavam constantemente a este Palácio para, entre outras coisas, poderem assistir às célebres regatas de Paço de Arcos.

Largo da Alcáçovas; Rua Costa Pint0 [c. 1919]
Garcia Nunes, in AML

O Palácio dos Arcos foi construído nos finais do século XV, pertencendo inicialmente a Antão Martins Homem que era o segundo capitão da Vila da Praia. Mais tarde, o Palácio dos Arcos viria ser reedificado, durante o século XVIII. No ano de 1698, D. Teresa Eufrásiade Meneses criou o morgadio de Paço de Arcos, do qual o Palácio dos Arcos fazia parte.
Depois, D. Teresa Eufrásia de Meneses, passou a deixar o legado do morgadio a D. Jorge Henriques, o Senhor das Alcáçovas. Muitos anos depois, o Palácio dos Arcos foi adquirido pela família Lencastre, cujo brasão ainda se encontra exposto na varanda do edifício. Da estrutura inicialmente edificada, o Palácio dos Arcos conserva ainda os dois torreões unidos por uma larga varanda que é sustentada por três arcos. O Palácio dos Arcos mantém ainda uma capela com um altar barroco, que foi dedicado desde o início a Nossa Senhora do Rosário.Actualmente o monumento é  um hotel de charme. (in historiadeportugal)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics