sábado, 8 de outubro de 2016

Palácio do Machadinho

Aquêle Pinto Machado, que tinha o seu palácio na Rua do Machadinho — diminutivo que nasceu do apelido do fidalgo —, foi quem fêz rasgar, depois de 1758, uma serventia já desenhada desde 1680 — «Caminho Novo» — na quinta de D. Francisco Xavier Pedro de Sousa, por alcunha o «Quelhas», quinta na qual o fidalgo tinha sua casa, que bem pode ter sido aquela onde assentou o palácio dos Pintos Machados. 

 

A Rua do Machadinho, de acordo com o olisipógrafo Luís Pastor de Macedo («Lisboa de Lés a Lés») foi a «Rua do Acipreste» que já em 1805, no Livro de óbitos da freguesia de Santos, surge como Rua do Machadinho, topónimo «dado pelo vulgo em razão de nela ser erguer [no nº 20 da artéria] o Palácio do Machadinho, assim conhecido por ter sido mandado restaurar ou edificar por José Machado Pinto, fidalgo cavaleiro da Casa Real, Coronel de Auxiliares e administrador geral do Contrato de Tabaco, que nele faleceu em 22 de Abril de 1771, deixando viúva D. Isabel de Sousa Ventaga (ou Vetingão)».

Palácio do Machadinho [c. 1940]
Rua do Quelhas, 13; Rua do Machadinho, 18-22; Beco do Machadinho (muro); Travessa dos Inglesinhos

Eduardo Portugal, in AML

Na segunda metade do século XVIII, José Pinto Machado, o Machadinho, fidalgo da Casa Real, torna-se proprietário de um palácio seiscentista à Madragoa, empreendendo uma campanha de reedificação, ampliação e redecoração do edifício. Após a sua morte sucedem-se os proprietários e inquilinos, dos quais se destacam o poeta António Feliciano de Castilho e seu filho, o olisipógrafo Júlio de Castilho. Adquirido pelo município, em 1948 é alvo de um grande restauro que recriou o esplendor perdido graças à reutilização de azulejos provenientes de outros edifícios da cidade. Destaca-se o salão com tectos estucados por João Grossi. O jardim foi redesenhado pelo arq.º Ribeiro Telles.

Palácio do Machadinho, portão, pedra de armas [1968]
Rua do Machadinho, 20

Armando Serôdio, in AML

Entre os painéis de azulejo que ornamentam as salas do piso nobrefigurando cenas mitológicas, profanas (festas galantes) que ornamentam algumas salas reconhecem-se, pelo desenho e composição, conjuntos diversos, datáveis período joanino. Nos jardins reconhece-se uma construção de planta hexagonal (casa de fresco), coberta por cúpula revestida de azulejo, bancos e conversadeiras revestidos com azulejos polícromos setecentistas (reaproveitados). A pedra de armas é um escudo partido, ao 1º de Pintode prata com 5 crescentes de vermelho postos em sautore ao 2º de Machado de vermelho com 5 machados de prata encabados de ouro postos em sautor. Como timbre : um elmo com dois machados em aspa.

Palácio do Machadinho, portão e pedra de armas [1968]
Rua do Quelhas, 13; Rua do Machadinho, 18-22;
Beco do Machadinho (muro); Travessa dos Inglesinhos

Armando Serôdio, in AML


Bibliografia
(ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. VII, p. 33)
(cm-lisboa.pt/toponimia; monumentos.pt)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics