Thursday, 20 October 2016

Local do antigo Cemitério das Mercês

Aqui temos à esquina da Travessa das Mercês o prédio, alindado há meia dúzia de meses [1939], feitio prático de oficina e de estabelecimento industrial, e que constitue a Fábrica União, de espelhos e vidros pulidos. Dispõe de três fachadas: Luz Soriano, Travessa das Mercês, Rua dos Caetanos.
Pois é precisamente a área ocupada pelo antigo Cemitério das Mercês. «Vê-te neste espelho» — dizem os mortos aos vivos. E aí temos uma fábrica de espelhos no sítio do antigo Cemitério. Mas não tão recuado que não existissem dêle vestígios ainda há quarenta anos — ante ontem... 

Travessa Mercês com a Rua dos Caetanos [1932]
Fábrica União, local do antigo Cemitério das Mercês

Fotógrafo não identificado, in Arquivo do Jornal O Século

Como particularidade — e só por isso o evoco — digo-te que aqui foi enterrado Manuel Maria Barbosa du Bocage, que morreu a dois passos na Travessa André Valente a 21 de Dezembro de 1805. Foi seu companheiro, vizinho de tumba, o que fôra também um pouco seu par na vida: Nicolau Tolentino.
(...) Os vestígios do cernitério — que findara sua missão em 1834 — desapareceram então de todo, e as ossadas - eram sessenta e nove as lousas, sendo a do Poeta a n.° 36 - levaram-nas para a vala comum do Alto de S. João ou dos Prazeres.

Travessa Mercês com a Rua Luz Soriano [1932]
Fábrica União, local do antigo Cemitério das Mercês

Fotógrafo não identificado, in Arquivo do Jornal O Século

Bibliografia
(ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. VI, pp. 43-44)

No comments:

Post a Comment

Web Analytics