domingo, 24 de julho de 2016

Convento das Flamengas

Defronte do Convento do Calvário havia, mais antigo e mais nobre, o Convento das Flamengas, ao qual estão ligados alguns sucessos da família real no século XVII.


   O Convento das Flamengas foi construido em 1586 pelo arquitecto Nicolau de Frias, de fundação de Felipe I [II de Espanha], para as religiosas clarissas flamengas, emigradas para Portugal em virtude das perseguições calvinistas na Baixa Alemanha e na Holanda; estas religiosas albergaram-se primeiramente, ainda sem constituírem comunidade, no Mosteiro da Madre de Deus, mas em Dezembro de 1582 tinham casa própria junto à Ermida da Glória, a Valverde (ou seja à Avenida [da Liberdade], ermida que deu o nome às actuais Calçada, Rua e Travessa da Glória.
    O Convento neste lugar recebeu a invocação de N. Senhora da Quietação, que perdura ainda na Igreja, aberta ao culto. 
   Pelo Terramoto poucos estragos sofreu.

Convento das Flamengas [c. 1940]
Rua Primeiro de Maio; perspectiva tirada do Largo do Calvário
Eduardo Portugal, in AML
   
   Desde 1893 que o edifício do antigo Convento foi cedido ao Ministério das Colónias (então da Marinha e Ultramar), para moradias de senhoras de família de oficiais falecidos no Ultramar; presentemente [em 1939] habitam aqui vinte e quatro famílias naquelas condições. Não constitue um Recolhimento e muito menos um asilo, mas um agrupamento de casas independentes.

Convento das Flamengas, fachada principal, pórtico brasonado [c. 1940]
Rua Primeiro de Maio
Eduardo Portugal, in AML

   Entremos. Aí temos, em tudo, marcado o aspecto conventual do sexo feminino, pequeno e delicado, com seu claustro miniatural, sem lavores de arquitectura, seu terraço, jardim e tanque central.
   Podemos espreitar a Igreja. Mas antes observa-me o pórtico do Instituto, ou seja do desaparecido Convento, com seu escudo e coroa real em relêvo. Quero lembrar-te que neste Convento se celebrou o casamento de D. Pedro II com D.Maria Francisca de Sabóia: a mulher de seu irmão, ainda vivo, D. Afonso VI.
   A pequena Igreja das Flamengas, do orago de N. Senhora da Quietação, é pequena e graciosa, forrada de bons azulejos, revestida de talha apreciável, forrada de bons azulejos, revestida de talha apreciável, com lousas e inscrições no chão do corpo da Igreja.
   Como vês recolhe-se boa impressão de conjunto neste minúsculo templo. No sopé de um dos altares do Cruzeiro está enterrado o coração de D. Pedro II. [1]
[1](ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. IX, pp. 33-34)

Convento das Flamengas, claustro [c. 1940]
Rua Primeiro de Maio; ao fundo, a Rua Leão de Oliveira
Eduardo Portugal. in AML

Entre as lápides existentes no pavimento da Igreja das Flamengas, desperta-nos a atenção e a curiosidade o de uma singela campa que está junta aos degraus do altar-mor, da banda do Evangelho, e nos diz que o  coração de D. Pedro foi ali enterrado: 

COR JACET HIC PETRI 
REGIS MORTALE SECVNDI 
COR VIVEBAT VBI 
CON TVMVLATVR IBI

Conta-nos António Caetano de Sousa, na sua História Genealógica,[2]  o processo de embalsamento do corpo do Rei que morreu no Paço de Alcântara pela 1 hora da tarde de uma quinta-feira, dia 9 de Dezembro de 1706): 
(...) terminada a operação foram os intestinos (i.e. as vísceras) a enterrar à Igreja das Religiosas Flamengas, que ficam contiguas ao Paço, e levados à noite, com a decência devida, por António Rebelo da Fonseca, que servia de porteiro da câmara. ”
Assim sendoenquanto o corpo embalsamado do Rei foi levado para S. Vicente de Fora, onde está sepultado, como se comprova ter sido sua vontade por o expressar em testamento  “(…) o meu corpo será sepultado na igreja de S. Vicente de Fora, junto do túmulo de minha sobre todas muito amada e prezada mulher D. Maria Sofia Isabel, que está em Glória (…)” —, as visceras, e com elas o «cor[ação] mortale», ficaram enterradas na formosa igreja do vizinho deste Convento da Quietação.  

[2] (SOUSA, António Caetano de, C.R., História genealógica da casa real portugueza, vol VII, p. 658, 1735-1749) 

1 comentário:

  1. Mais um excelente artigo. Agradecido.
    José Quintero

    ResponderEliminar

Web Analytics