Sunday, 18 June 2017

Bairro das Janelas Verdes

Um momento caminharam em silêncio. Depois, na Rua das Janelas Verdes, o Alencar quis refrescar. Entraram numa pequena venda, onde a mancha amarela de um candeeiro de petróleo destacava numa penumbra de subterrâneo, alumiando o zinco húmido do balcão, garrafas nas prateleiras, e o vulto triste da patroa com um lenço amarrado nos queixos. (QUEIROZ,  Eça de, Os Maias, 1888)


Falar da Rua das Janelas Verdes é também falar da Lisboa Queirosiana — e da casa dos Maias: «A casa que os Maias vieram habitar em Lisboa, no outono de 1875, era conhecida na vizinhança da Rua de S. Francisco de Paula, e em todo o bairro das Janelas Verdes, pela casa do Ramalhete ou simplesmente o Ramalhete

Rua do Sacramento, a Alcântara Rua Presidente Arriaga [ant. 1901]
Quartel da Guarda Municipal de Lisboa depois Guarda Republicana: Carro do «Salazar»
Fotógrafo não identificado, in AML

Campos Matos, em Imagens do Portugal Queirosiano, Lisboa, 1876, livro de reconhecida importância sobre o tema, assinala: «Quanto ao Ramalhete, sabemos que fica às Janelas Verdes, cerca da Rua de S. Francisco de Paula [hoje Rua Presidente Arriaga], embora se atribua ao solar do conde de Sabugosa, em Santo Amaro, a sua fonte de inspiração».

Rua das Janelas Verdes [entre 1901 e 1908]
Cruzamento das ruas de São João da Mata e de Santos-O-Velho
Machado & Souza, in AML

Aqui quási defronte da Igreja de S. Francisco de Paula — relembra Norberto de Araújo — se ergue o conjunto de edifícios, onde estão desde 1919 instalados uma companhia da Guarda Republicana e o Comando do Batalhão. (...) Depois de 1834 — em que esta casa deixou de ser o Convento de S. João de Deus — instalaram-se nela o Quartel de Marinha, e mais tarde o Tribunal da Côrte.

Visita do Rei Dom Manuel II, a guarda de honra formada na Rua das Janelas Verdes Rua Presidente Arriaga [1908]
Joshua Benoliel, in AML

Bibliografia
(ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. VII, p. 59, 1939)

6 comments:

  1. Felicito pela altíssima qualidade deste blog que no seu conjunto constitui um inestimável repositorio da história de Lisboa,quer pela valia dos textos,quer pelo interesse iconografico das imagens, a maior parte autênticas preciosidades.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Gratos pelo apreço. A ideia principal que presidiu a feitura destas Lisboas de Antigamente - blogue e FB - foi essa: juntar textos de alguns dos maiores nomes da literatura lusa (e não só) a imagens dos mais renommados fotógrafos.

      Delete
  2. Permita-me informa-lo que a Rua "Presidente Arriaga" só o é depois de Abril 1920, conforme em http://www.cm-lisboa.pt/toponimia. Designação(ões) Anterior(es): Rua de São Francisco de Paula, antes Rua Direita de São Francisco. Parabéns pelo seu trabalho.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Grato pelo apreço. Estou ciente disso, mas em nenhum passo do texto se refere outra coisa. A passagem "hoje Rua Presidente Arriaga" deveria estar, isso sim, entre parêntesis. Remeto-o para este artigo sobre a dita artéria. Cumptos
      https://lisboadeantigamente.blogspot.pt/2015/07/rua-de-sao-francisco-de-paula.html

      Delete
    2. Tem razão. Quando escrevi o comentário, ainda não tinha lido o texto da entrada. Por outro lado, tendo em conta as datas referidas junto das fotos, o quartel e os elementos fotografados deveriam ser da Guarda Municipal já que a GNR só foi criada em 3/05/1911, conforme consta em http://www.gnr.pt/historiagnr.aspx Obrigado pela sua resposta e informação.

      Delete
    3. Tem razão. Já alterei a legenda da imagem.

      Delete

Web Analytics