Wednesday, 17 August 2016

Palácio de Alvor-Pombal

Janelas Verdes — por quê? Talvez pelas varandas do que foi o seiscentista Palácio Alvor, e, de há meio século, é o Museu Nacional de Arte Antiga. E lá estão, ainda, as janelas verdes, de varões grossos, numa fileira simétrica corrida, dominando os portais armoriados. [1]


O Palácio das Janelas Verdes foi edificado em 1690 pelo Conde de Alvor, D. Francisco de Távora, que foi vice-rei da Índia. Com o pretexto da conspiração contra D. José, o palácio foi confiscado aos Távoras herdeiros e, pouco depois. foi adquirido por Matias Aires Ramos da Silva, naturalista e letrado, que foi provedor da Casa da Moeda. Em 1760 passou às mãos de Paulo de Carvalho, irmão do Marquês de Pombal; em 1770 o grande Ministro herdou-o do irmão. O Palácio na transposição da posse dos Alvores sofreu modificações na sua fisionomia seiscentista, com restauros e sobreposições ostensivas de nobreza, e fazendo-o cair no rococó, sem todavia o fazer amesquinhar até à trivialidade. (Neste Palácio morreu em 26 de Janeiro de 1873 a Imperatriz [do Brasil] Maria Amélia de Beauharnais, segunda mulher de D. Pedro IV [1.° imperador daquele império].
O Museu Nacional de Arte Antiga, denominação que data de 1911, foi inaugurado neste Palácio em 12 de Junho[?] de 1884, com a presença do Rei D. Luiz (...).[2]

Palácio de Alvor-Pombal [1858]
Rua das Janelas Verdes; à esquerda, o Chafariz das Janelas Verdes
no Largo Doutor José de Figueiredo

Amédée de Lemaire-Ternante, in CPF


[1] (ARAÚJO, Norberto de, Legendas de Lisboa, p. 88)

[2] (ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. VII, pp. 64-65)

No comments:

Post a Comment

Web Analytics