Tuesday, 31 May 2016

Palácio dos Condes de Redondo (Bairro Camões)

O antigo palácio dos Condes de Redondo. na Rua de Santa Marta — uma sombra do que foi, a viver apenas do seu exterior repousado — é uma fundação que não deve recuar mais que ao terceiro quartel do século XVII.

 
Fê-lo erguer ou reedificar, um dos Condes de Redondo, talvez D. Duarte de Castelo Branco. 7.º do título, vedor da Casa de D. João IV, ou seu irmão e sucessor, 8.º Conde., D. Francisco de Castelo Branco, falecido em 1686 sem descendência nem ascendência masculinas, vagando então para a Coroa a Casa e o Condado de Redondo. É esta a razão por que se viu a Rainha D. Catarina, viúva de Carlos II de Inglaterra, residir neste palácio, «cedido por seu irmão D. Pedro II», quando regressou ao Reino, e antes de a mesma senhora ir habitar o seu Paço da Bemposta. D. Pedro II, em 1693, fez mercê dos bens e título de Redondo a D. Manuel Coutinho, 9.º Conde, filho segundo do Marquês de Marialva, e quarto neto de D. Vasco Coutinho, Conde de Borba, e l.º Conde de Redondo. Este 9.º Conde morreu sem sucessão e a varonia passou para os Sousas, sendo 10.º Conde D. Fernão de Sousa Coutinho; o 18.º Conde D. Tomé Xavier de Sousa Coutinho de Castelo Branco e Meneses foi feito, em 1811, 1.º Marqu4s de Borba.

Palácio dos Condes de Redondo [1930]
Rua de Santa Marta, 56 a 56-E
A Fachada, em extensão, constituída por sete corpos contíguos,  divididos  por  pilastras, com duas ordens de vinte e duas janelas, sendo as do andar nobre de sacada, com varões seiscentistas, e coroadas de cornija.
Fotógrafo não identificado, in Arquivo do Jornal O Século
 
O Palácio sofreu pouco pelo Terramoto, dada a sua sólida construção, dando então albergue a muita gente; foi, contudo, objecto de restauros levados a efeito pelo 12.º Conde, D. Fernando.
A grande quinta dos Redondos e Borbas, que se estendia a Nascente do palácio, e era uma das maiores de Lisboa, foi retalhada em 1878. depois de haver sido comprada por uma empresa urbanizadora do bairro Camões, cujo principal influente foi o Conde de Burnay, era então senhor da Casa, D. Fernando Luís de Sousa Coutinho, 8.º Marquês de Borba, mas continuando o palácio na família Sousa Coutinho. Pertence hoje [em 1949] este antigo palácio — dado a inquilinato — à Condessa de Arnoso, ocupando-o. além de famílias humildes, a Assistência Infantil e a Cantina Escolar da freguesia do Coração de Jesus, duas escolas primarias, uma agência funerária e vários estabelecimentos comerciais.

Palácio dos Condes de Redondo [193-]
Rua de Santa Marta, 56 a 56-E
O Portal, sobrepujado  de tímpano emoldurado de cantaria, que dá acesso, sobre
um  pequeno  passadiço, ao pátio interior.

Eduardo Portugal, in AML

De planta rectangular composta por quatro alas em torno de um pátio também rectangular, apresenta volumetria paralelepipédica. A extensa fachada principal, desenvolvida em dois pisos, é constituída por sete corpos contíguos delimitados por pilastras toscanas, encontrando-se rasgada a um ritmo regular por duas ordens de 22 janelas, sendo as do andar nobre de sacada com guardas de ferro forjado e encimadas por cornija. O portal, emoldurado a cantaria e coroado por um friso com tríglifos, sobrepujado por frontão triangular interrompido no vértice, dá acesso ao pátio interior, no centro do qual existe uma cisterna seiscentista com guarda de cantaria. 

Palácio dos Condes de Redondo, jardins [9 de Junho de 1880]
O Bairro Camões foi inaugurado em 9 de Junho de 1880, (compreendia as Freguesias do Coração de Jesus e de São Jorge de Arroios) por ocasião do 3º centenário da morte de Luís de Camões. Para a ocasião foi armado um coreto pavilhão nos jardins do Palácio dos Condes do Redondo.
Rua de Santa Marta, 56 a 56-E
José Artur Leitão Bárcia, in AML
 
No interior merecem destaque a escadaria desenvolvida a partir do átrio situado ao fundo do pátio, assim como algumas salas com tectos apainelados e estuques pintados. Está ocupado actualmente pela Universidade Autónoma de Lisboa, que aí funciona desde os anos 80 do séc. XX.
___________________________________________________________________
Bibliografia
ARAÚJO, Norberto de, Inventário de Lisboa, 1949.

3 comments:

  1. Muito bom Blog! Com história e trechos de texto!

    Uma sugestão, juntamente com as fotos antigas se colocasse uma foto actual para verificar a transformação seria muito interessante!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Grato pelo apreço. Quanto à sua sugestão já existem outros sites que fazem esse tipo de comparações. De qualquer modo - e com o surgimento do Google - é fácil aos leitores fazerem a pesquisa se a tal estiverem interessados.

      Delete
  2. No final de 80, faziam-se obras para o que veio a ser a universidade, entrei para ver o interior e assisti aos trolhas a partirem toda a azulejaria azul e branca duma da salas. Não havia um intacto... Fui logo embora. Não podiam ter sido salvos?...

    ReplyDelete

Web Analytics