Sunday, 28 January 2018

Profissões de antanho: o deita-gatos

Lisboa engraçava com estes modestos profissionais, de boina vasca e tipicamente vestidos de calça e blusa de ganga azul, chamando a atenção com o característico toque de gaita de beiços e lançando ao vento o seu cantante pregão: «Deita gatos em bacias e alguidares, amola tisoiras e navalhas, conserta chapéus de sol...» 


Significado da expresão deita-gatos segundo a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira:
DEITA-GATOS, s. m. Pop. Humilde artífice que conserta, por meio da apostura de gatos de arame, a louça de barro, chapéus de chuva, etc. São os deita-gatos, pelo geral, oriundos da Galiza e exercem a sua arte ambulantemente: «Havia, entre os maltezes, alguns que exerciam um pequeno comércio — os tendeiros — e outros que praticavam uma pequena indústria — os deita-gatos. Todos pediam esmola; mas os  tendeiros formavam, por assim dizer, a aristocracia da classe, e os deita-gatos constituíam urna espécie de burguesia média nessa sociedade mal diferenciada, Brito Camacho, Gente Rústica, p. 140 (1921). Relegado para os meios rurais ou subúrbios das cidades, o deita-gatos acumula, multas vezes, com a sua, a profissão de amolador. Nalgumas regiões do Alentejo (v. g. Portel) anunciam a sua presença por um tilintar de ferrinhos e o povo liga a éste anuncio a superstição de que ele indica que vai chover ou fazer mau tempo.

 Deita-gatos/amolador, junto ao Palácio do Marquês de Alegrete [s.d.]
Antiga Rua da Mouraria
Fotógrafo  não identificado, in AML

A este propósito ouçamos o magnífico eco do maior poeta da língua portuguesa e um dos maiores da literatura universal — Fernando Pessoa, em “Ó rapaz que deita gatos”:,

Ó rapaz que deita gatos
Deitas gatos só em pratos,
Só em tachos e tigelas, 
Ou deitas gatos também
Nas almas e no que há nelas
Que as quebra em mal e em bem?

Ah, se, por qualquer magia,
As tuas artes subissem
Àquela melhor mestria
De pôr gatos que se vissem
Nesta alma que se quebrou
No que sonho e no que sou!

Então... Qual então! Que tratos
Dei a um poema que surgiu!
Só consertas, só pões gatos
No inteiro que se partiu.
O que partido nasceu
Nem tu consertas nem eu.
(Fernando Pessoa, 1933)

Um deita-gatos de Lisboa
"Typos das ruas". Edição A.Martins, postal circulado em 1904

Um Deita-gatos de Lisboa [s.d.]
in Olisipo: boletim do Grupo "Amigos de Lisboa"
 
Bibliografia
Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol 8, p. 499, 1959.

3 comments:

  1. Fantastic! It's now certainly one of my favorite websites!
    It is a great pleasure to read articles from such an impressive blogger.
    Could possibly you compose some tutorial or tips and hints for individuals
    who wishes to raise personal penning abilities?
    It might be extremely helpful, particularly for learners, simply because modern students need to write a big amount
    of different essay for college and universities.
    But, in any case, it’s not a big problem once you know about this website http://bit.ly/. It is a critique organization which main objective is
    to examine composing firms and assess the level of their products.

    ReplyDelete

Web Analytics