Wednesday, 3 January 2018

Ermida de N. S. da Conceição da Carreira (ou Carreinha)

A Ermidinha situa-se na Rua Gomes Freire antiga Carreira dos Cavalos —, zona dedicada às corridas de cavalos e foi edificada em 1738, pelo Infante D. Francisco, irmão do rei D. João V e senhor da Casa do Infantado que havia cedido aos Religiosos Capuchos da Província da Beira uns terrenos para aí se fundar um hospício. Atribui-se a autoria do edifício a Manuel da Costa Negreiros arquitecto da Casa do Infantado, que pela mesma altura trabalhou nas obras da capela real do vizinho Paço da Bemposta. Comparando os dois monumentos existem algumas semelhanças entre as duas, no traçado sóbrio e na aplicação do arco contracurvado. 

Ermida de N. S. da Conceição da Carreira [1932]
Rua Gomes Freire (antes do alargamento e rectificaçao da via que ocorreu na década de 140

À esq., a Ermida da Carreira (ou Carreinha); à dir., a Rua da Cruz da Carreira; ao fundo, o Campo dos Mártires da Pátria
Fotógrafo não identificado, in Arquivo do Jornal O Seculo
 
A Ermida da Carreira, de fachada simples, apresenta o brasão de armas do Infante mecenas e possui duas pilastras com capitéis ornados em tríglifo. No interior, o altar-mor está ladeado pelas imagens de São Francisco e de Santo António, respectivamente, em homenagem ao Infante e ao santo patrono do hospício. O coro sobre a porta da entrada foi sucessivamente alterado para que os frades pudessem assistir às liturgias e não fossem vistos. Actualmente, e nas dependências anexas funciona o pré-seminário do Patriarcado.¹

Ermida de N. S. da Conceição da Carreira (ou Carreinha) [1945]
Rua Gomes Freire
A fachada apresenta o brasão de armas do Infante D. Francisco
Eduardo Portugal, in Arquivo Municipal Lisboa
 
Esta rua que desde 18 de Agosto de 1879 ostenta o nome de Gomes Freire homenageia Gomes Freire de Andrade (1757-1817), o filho de um diplomata que seguiu a carreira militar e foi considerado como um dos mais ilustres e mais atrozmente perseguidos mártires da liberdade em Portugal. Como militar, Gomes Freire de Andrade combateu em Argel (1784), na Rússia (1788), na Guerra do Rossilhão (1790) e já como marechal-de-campo, na Guerra das Laranjas (1801).² 
__________________
Bibliografia
¹ (SANTANA, Francisco e SUCENA, Eduardo (dir.), Dicionário da História de Lisboa,
Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, 1975, pp.142-143)

² cm-lisboa.pt

4 comments:

  1. Gomes Freire de Andrade. Foi preso na sua casa na rua do Salitre, em Lisboa, para ser executado no Forte de São Julião da Barra. A sua mulher teria dito, quando o levaram: "Felizmente há luar", segundo a obra de Luís Stau Monteiro.

    ReplyDelete
  2. Simply wish to say yoour articlpe is as amazing.
    The clarity in your put up is simply great and i could suppose you're an expert in this subject.
    Well along with your pernission allow me to seize your RSS feed to keep up to date with
    impwnding post. Thank you one million and pllease carry on the
    rewarding work.

    ReplyDelete
  3. À procura do nome dum edifício religioso sito na Rua de Gomes Freire (de Andrade) vim parar ao incontornável blogue "Lisboa de Antigamente" inesgotável fonte de ensinamentos em tudo o que diz respeito à Lisboa de ontem e de hoje. Mais uma vez, os meus parabéns e agradecimento pelo seu trabalho.

    ReplyDelete
  4. Em relação à famosa frase "felizmente há luar", na obra de LSM ela aparece na boca de D. Miguel e de Dona Matilde, com sentido diferente. No entanto, em tempos, alguém que considero fidedigno, informou-me que a frase foi realmente proferida, no dia das execuções, por alguém ligado ao Poder e como resposta a uma observação de que o dia já ia avançado e dentro em pouco ficaria escuro o que impediria as execuções. Porque "felizmente há luar" as execuções não foram adiadas. Não encontrei confirmação na internet do que me foi dito mas penso ser verdade. Alguém confirma ou corrige?

    ReplyDelete

Web Analytics