Sunday, 22 March 2020

Rua das Escolas Gerais

Pois retornemos e sigamos o nosso caminho, pela Rua das Escolas Gerais, artéria que nos meados do século XVI era designada pelo povo também Rua do Bairro dos Escolares, e então mais estreita (foi alargada, só em 1886). Os prédios a nascenteà nossa esquerda agorasão todos do século passado; à direita, transfiguradas, ficam as casas que foram do Convento [das freiras do Salvador].


Êste trôço inferior da Rua chamou-se, desde remotos tempos até 1859, do «Marco Salgado»,sítio sem classificação descriminativa — nome que há quem suponha que evoca a última representação de Pedro Salgado, chanceler de D. Deniz. Já escrevi: «A razão do nome não está esclarecida, e parece constituir um problema para eruditos».¹

Rua das Escolas Gerais [c. 1940]
À direita, depois do murete, sai a Rua do Loureiro e, ao fundo à esq., a Calçadinha
do Tijolo
Eduardo Portugal , in AML

Como decerto o leitor já viu — diz Luís Pastor de Macedo— , o Bairro dos Escolares chamaríamos hoje Bairro Universitário, e as Escolas Gerais ou o Estudo Geral são a Universidade transferida definitivamente para Coimbra em tempo de El-Rei D. João III (1537). Também com certeza sabe o leitor que na Lisboa de hoje existem duas serventias públicas com nomes determinados pelo Estudo fundado por El-Rei D. Dinis: as Escolas Gerais, artéria inclassificada que pertenceu às antigas freguesias de Santa Marinha e de S. Vicente, que a compartilhavam, e a Rua das Escolas Gerais que pertenceu à antiga freguesia de S. Tomé, e durante algum tempo, pelo menos, também à do Salvador.²
_________________________
¹ ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. X, 1939.
² MACEDO, Luís Pastor de, Lisboa de Lés a Lés,
vol. II, 1941.

No comments:

Post a Comment

Web Analytics