Sunday, 2 June 2019

Palácio Valadares

O antigo Palácio Valadares, com sua fachada sobre o Largo do Carmo e em extensão sobre a Calçada do Sacramento, à parte o seu passado histórico, vale apenas pelo corpo da frontaria, na qual se rasga uma varanda armoriada.


O Palácio Valadares, no Largo do Carmo, é uma construção setecentista, desluzida de expres­são arquitectónica, mas cujo núcleo urbano, destruído pelo Terramoto, muito longe recuava, possuindo por isso uma significação olisiponense histórica, que é a única justificação do relevo desta notícia. No século XIII neste Sítio da Pedreira, e no local do Palácio Valadares, assentaram as casas do «Estudo Geral» — embrião da Universidade de Lisboa — , criado por D. Dinis, em 1290, e já a funcionar nesse próprio ano ou no seguinte. Pouco tempo depois, em 1802, as casas foram doadas pelo mesmo rei aos judeus Navarros, de Beja, arrabis-móres, mas logo em 1819 as mesmas casas, com seus largos terrenos de logradouro, passaram, por doação também, ao almirante geno­vês Manoel Peçanha (Pessanha, pelo decorrer do tempo), conservando-se a propriedade nos seus descendentes e sucessores, com algumas intermitências, durante todo o século XV. No princípio do século XVI estava a propriedade na posse dos Meneses, Condes e Marqueses de Vila Real, e nela se continuou até 1641, ano em que, por conspiração contra D. João IV, foram justiçados D. Luís de Meneses, 7 ° Marquês de Vila Real, e seu filho D. Miguel de Meneses, 2.º Duque de Caminha. Vagou então a propriedade para a Coroa, doando.a logo o soberano a seu filho, o Infante D. Pedro; certo é ela pertencer, em 1653, a D. Álvaro Abranches, um dos aclamadores de D. João IV, cuja filha, e única herdeira, casou no ano seguinte com D. Miguel Luís de Meneses, neto dos Vila Reais, feito Conde de Valadares em 1702, por ajuste com D. Pedro II, pelo direito que tinha, D. Miguel Luís, à casa de Vila Real. Voltaram assim os Meneses à posse do palácio do Carmo, conservando-se este nos Valadares até ao Terramoto, que inteiramente o subverteu, desaparecendo então o núcleo urbano primitivo do velho edifício, que remontava ao tempo do Rei D. Dinis.

Palácio Valadares [ca. 1949]
Calçada do Sacramento, 34-52; Largo do Carmo, 32
O Corpo principal, no qual se  destaca o portal nobre emoldurado de  cantaria, sobre o qual assenta a varanda larga, em contra­curvas de grades do século XIX, valorizando a janela do andar nobre o  remate com a pedra de armas dos Valadares. [vd. 3ª foto]
Horácio Novais, in Inventário de Lisboa













 
Foi o  5.º Conde de Valadares, D. José Luís de Meneses Abranches Castelo Branco, quem, a partir de 1785, fez reedificar o  palácio, em área, planta e  semblante em tudo diversos do que distin­guira o  solar dos Pessanhas e  dos Marqueses de Vila Real. Em 7  de Fevereiro de 1798, no tempo do 7.º Conde de Valadares e 1.º Marquês de Torres Novas, o novo palácio sofreu incêndio, que con­sumiu todo o recheio, mas conservando-se, após as obras de restauro, logo efectuadas, o exterior tal qual fora traçado em 1785. No século passado [XIX] o  palácio continuou na posse dos Valadares, mas porque o  filho do 9.° Conde, D. Francisco António,  casara com a  4.ª Marquesa de Vagos, os títulos da família proprietária do palácio acabaram por unir-se na pessoa de seu filho D. Marcos da Silva Noronha, falecido em 1906. No começo do ano seguinte, para efeito de partilhas, o  palácio do Carmo, que os Valadares e  Vagos no século XIX só transitoriamente habitaram, foi à  praça, sendo arrematado pelo confeiteiro e capitalista Baltasar Rodrigues Castanheiro; a propriedade pertence hoje [em 1950] aos três netos do arrematante de 1907 — Pedro, Rafael e  Carlos Castanheiro Viana.

Palácio Valadares [1959]
Calçada do Sacramento, 34-52; Largo do Carmo, 32
Junta de Freguesia de Santa Maria Maior
O corpo corrido em extensão, sobre a Calçada do Sacramento, com  duas  ordens de doze janelas, uma de sacadas rematadas por cornija no andar nobre, e outra de peito e de guilhotina no primeiro andar; a meia  altura do centro deste  corpo  vê-se urna  lápide [por cima e atrás do reclame], em  cantaria simples, com a inscrição: «No sítio deste Palácio existiu a primeira casa da Universidade de Lisboa, criada pelo rei D. Dinis, por carta de 1 de Março de 1290 com  o nome de Estudo Geral. Esta lápide foi mandada colocar pelo Grupo Amigos de Lisboa aos 6  de  Março de  1938»
Arnaldo Madureira, in
A.M.L.

No século passado já o palácio andava abandonado pelos Valadares, e  convertido em prédio de rendimento, sem beleza  alguma interior, pois o incêndio de 1798 tudo consumira. Logo a  seguir ao sinistro esteve ali instalada uma fábrica de arame (1798-1817). Ocupou-o, em 1819 a famosa «Assembleia Lisbonense», clube de recreio de alta distinção, cujas deslumbrantes festas deram brado, e  às quais chegou a  assistir a  família real, dando o  Rei D. João VI beija-mão. A «Assembleia» deixou o  palácio em 1829, mas logo em 1885 o  proprietário, que era então o 1.º Marquês de Torres Novas, alugou o  andar nobre ao Clube Lisbonense, também muito afamado, e  a cujas festas vinham por vezes D. Maria II, seu marido e filhos; o  clube acabou em 1880. O andar nobre, logo em 1881, passou a  ser sede da Direcção-Geral dos Correios, Telégrafos e  Faróis, que ali se manteve até 1887; no ano seguinte ocupou o  edifício todo João Pedro Tavares Trigueiros. Depois de 1892 um novo in­quilino abriu diverso e  mais condigno destino ao antigo palácio: o  Liceu Nacional (Liceu do Carmo), transferido do Palácio Regaleira, a  S. Domingos; a  este sucedeu o  liceu feminino D. Maria Amália Vaz de Carvalho, e  a seguir uma secção do Liceu Passos Manuel. Finalmente em Outubro de 1941 o edifício passou, excepto nas lojas e  sobrelojas,   a ser ocupado pela Escola Comercial Veiga Beirão. Numa sobreloja está instalada a  Junta de Freguesia do Sacramento [hoje de Santa Maria Maior], e  noutras sobrelojas e  lojas acomodam-se armazéns e  estabelecimentos comerciais.

Brasão de armas dos Valadares [ca. 1900]
Calçada do Sacramento, 34-52; Largo do Carmo, 32
 O Corpo principal, no qual se  destaca o portal nobre emoldurado de  cantaria, sobre o
qual assenta a varanda larga, em contra­curvas de grades do século XIX, valorizando a
janela do andar nobre o remate com a pedra de armas dos Valadares (primeiro  e
quarto quartéis armas de Portugal, segundo e terceiro armas de  Castela, centrados pelo escudo
dos Meneses de  Tarouca, este repartido em seis, um com estoque, três com quatro barras, dois
com dois lobos em campo, e ainda centrado com o anel dos Meneses).
Alberto Carlos Lima, in
Inventário de Lisboa

__________________
Bibliografia
ARAÚJO, Norberto de, Inventário de Lisboa, 1950.

1 comment:

  1. Magnificent web site. Lots of helpful information here.
    I'm sending it to several friends ans additionally sharing
    in delicious. And obviously, thanks on your effort!카지노

    ReplyDelete

Web Analytics