Wednesday, 20 February 2019

Sé de Lisboa: Fachada

A igreja da Sé — orago de N. Senhora da Assunção — é o único monumento sacro, de fundamento românico, existente em Lisboa, e, com exclusão do Castelo, o mais antigo documento monumental da cidade.


Estamos deante da Sé, Dilecto companheiro, monumento nacional por excelência, e, certamente, o mais antigo de Lisboa.
Esta fachada, com o seu ar vetusto, o seu semblante romântico, a sua patine desigual, sinal dos restauros e das transformações — é só por si um interessante documento de arquitectura religiosa, medieval, e ajusta-se à índole portuguesa "forte, rude, crente e sem requinte", no dizer de Reinaldo dos Santos.

Sé de Lisboa [1893]
Largo da Sé
A fachada da Sé antes das intervenções de Augusto Fuschini e António do Couto Abreu: em comparação com a actual, note-se a ausência de ameias e a diferença drástica da rosácea e do pórtico.
António Novais, in BNF

Até há meia dúzia de anos [c. 1932] esta fachada não era bem como hoje a vês. Deves talvez lembrar-te ainda do pórtico gradeado avançado ao nível do corpo do edifício; do adro mais elevado do que o de hoje, guarnecido por uma cortina [e gradeamento]; do corpo central entre tôrres, na frente do terraço onde hoje avulta uma bela rosácea recuada, e que constituía o fundo do côro alto da Igreja, com um grande óculo em caixilho de ferro envidraçado e duas desgraciosas janelas também envidraçadas; das janelas mesquinhas nos corpos laterais onde assentam as tôrres, janelas hoje substituídas por outras românicas geminadas, uma de cada lado. Aquela fachada anterior à actual foi obra dos restauros desassisados do fim do século XVII que tiraram ao monumento a sua importância e até o seu carácter. E deves recordar-te também de uma pirâmide de cimento armado que até há poucos anos existiu sôbre o eirado da tôrre Norte [vd. 2ª foto], que é esta que faz esquina para a Rua do Arco do Limoeiro.

Sé de Lisboa, vista da Rua Pedras Negras [1929]
Largo da Sé; Capela de São Bartolomeu Joanes sobre a  Rua Augusto Rosa
«Naquela tôrre do Norte, já no período das obras dêste século [XX], colocou-se uma guarita 
oitavada, de cimento armado, e que há poucos anos foi, como disse, demolida.»
Fotógrafo não identificado, in Arquivo do Jornal O Século

Êste é, companheiro Dilecto, o templo fundado pelo Rei Afonso Henriques em 1147, logo depois da tomada de Lisboa.
Se êle assenta, como muitos supõem, sôbre a antiga mesquita moura, não o sei eu, pois nem um vestígio único aparece que o indique. E muito menos se pode saber se essa mesquita, a existir, teria assentado sôbre algum templo cristão visigodo, do período que antecedeu a dominação muçulmana. Fiquemos no seguro: em que a Sé é de Afonso Henriques, templo começado logo em 1147, e cujas obras se prolongaram por outros reinados. Embora o nosso primeiro rei tivesse vivido até 1185, não é muito de crer que dentro do seu tempo o templo se tivesse concluído, “em definitivo", preocupados como andavam o monarca e os homens bons com as guerras militares e políticas.
A mesquita moura, que seguramente existia, era a do Castelo. depois Igreja de Santa Cruz, logo entregue ao primeiro bispo de Lisboa, o inglês D. Gilberto de Hastings.

Sé de Lisboa [c. 1895]
Largo da Sé
Note-se o  adro mais elevado guarnecido por uma cortina [e gradeamento]
«O adro antigo desapareceu, no seu aspecto do século passado, pclas necessidades do 
trânsito e até porque se verificou, nos estudos de reconstituição e escavações, que o seu 
pavimento ficava a um nível mais baixo, cêrca de um metro e meio.»
Imagem anónima, in AML

Deu-se o Terramoto de 1755. A-pesar-da ruína exterior não ter sido tão grande como alguns escritores podem fazer crer, caiu a altiva tôrre sineira — magestosa indicação do espírito religioso dominante, com a sua dupla ordem de pavimentos janeladose na sua queda provocou irreparáveis estragos.
A planta da Sé, levantada em 1882, demonstrava bem que o «monumento nacional» — classificação de 10 de Janeiro de 1907 e 16 de Junho de 1910 — era um caos. O engenheiro Augusto Fuschini, mais artista que arqueólogo da arquitectura, foi o primeiro impulsionador do restauro da Sé (1899-1911), seguindo-se na direcção das obras, quási imediatamente à morte de A. Fuschini, o arquitecto António do Couto [Abreu] (Agosto de 1911 à actualidade), cuja cultura técnica firme e probidade, orientadas superiormente pela Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, lograram a conclusão das obras (1939-1940), na reintegração do monumento, no seu possível semblante romântico e gótico, ·reaparecendo a Sé, quer no exterior quer no interior, nas suas nobres linhas arquitectónicas da fábrica primitiva (apenas a Capela-mor, e a Capela do Santíssimo se conservam no gosto setecentista do restauro).

A Sé vista de avião [1938]
Largo da Sé e Rua Pedras Negras (à esq. em baixo), Rua Augusto Rosa (antiga do Arco do Limoeiro); Cruzes da Sé (à dir.); no primeiro plano vê-se a Igreja de Santo António de Lisboa; no edifício da Sé distinguem-se ao fundo o Claustro, e ao centro a base da desaparecida torre sineira.
«[...] Estas torres [Sé], primitivamente, não tiveram sinos, os quais se situavam na tôrre sineira, sôbre a cúpula do cruzeiro, e que o terramoto arrazou. [...]»
Pinheiro Correia, in AML
Bibliografia
ARAÚJO, Norberto de, Inventário de Lisboa, 1944.
idem, Peregrinações em Lisboa, vol. II, pp. 31-35, 1938.

6 comments:

  1. A inscricao no portico de entrada da se' sempre existiu, ou e' fruto da renovacao?

    ReplyDelete
    Replies
    1. "In omnem terram exivit sonus eorum, et in fines orbis terrae verba eorum."

      Delete
  2. Great internet site! It looks very good! Sustain the excellent job!

    ReplyDelete
  3. Uma Sé que pesar de imponente, não é das mais bonitas de Portugal, para mim claro !

    ReplyDelete
  4. Loving the information on this internet site, you have done outstanding
    job on the content.

    ReplyDelete

Web Analytics