Tuesday, 22 November 2016

Antiga casa dos Marqueses de Minas

Observa-me agora, Dilecto, do lado oposto, estes dois edifícios ligados num só, n.ºª 199 a 211 os mais velhos de aspecto de tôda a rua, mas com ar nobre vulgaríssimo de setecentos.
Foi velha casa dos Marqueses das Minas; do remoto da edificação podes fazer idéia pela lápide foreira «Andrada F. 1600», o que dá expressão bairrista ao casarão. Nota êsses cunhais, com cornija, e que desigualados do grosso da edificação, indicam estragos do Terramoto.
   No tempo das invasões francesas, comêço do século passado [séc. XIX], uma senhora, D. Ana de Oliveira, a cujas mãos o prédio veio, instituiu ali um recolhimento para orfãs de militares mortos em defeza da Pátria. Foi depois integrado rios «Recolhimentos do Reino», como outros ainda dependentes do Ministério do Interior, e de que te falei quando passamos pelas Merceeiras, à Sé. 
   Em 1928 passou a instituição a cargo da Santa Casa, que aqui recolhe 32 meninas, entre os 13 e 17 anos, freqüentando os cursos secundários em regime de externato, e recolhendo ao «Pensionato da Rua da Rosa» — tal é sua designação — como se recolhessem a casa de família. (...) O edifício é velho; alguns pormenoresazulejos sobretudoatestam o seu ar palaciano.
Palácio dos Marqueses de Minas / Lar Nossa Senhora do Amparo [1944]
Rua da Rosa, 199-211; Rua de São Boaventura, 2
Estúdio Mário Novais, in AML

No interior, destaca-se uma colecção de silhares de azulejos azuis e brancos dos finais do séc. XVIII, que vão desde o átrio de entrada ao andar nobre, e que podem ser observados no filme da autoria da SCML que reproduzimos abaixo.

Palácio dos Marqueses de Minas
Filme da autoria da SCML (dur.aprox. 4 min.)
(clicar para reproduzir)

Bibliografia
(ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. VI, pp. 45-46)

No comments:

Post a Comment

Web Analytics