sábado, 18 de junho de 2016

Os alfacinhas vão a banhos: praias de Algés e do Estoril

Nos alvores do século XIX, com o surgimento do comboio e dos eléctricos, os lisboetas aventuram-se numa ida até às praias nos arrabaldes da capital, sobretudo nos meses de Setembro e Outubro. De acordo com o escritor Ramalho Ortigão (1836-1915), os banhos de mar com fins terapêuticos são benéficos, mas são aconselhadas certas precauções, a saber:

« É importante que o banhista ao chegar à barraca, se dispa com a máxima rapidez, enfie um calção de malha de lã, se envolva numa capa ou n’um plaid [tecido de lã] e corra imediatamente para a água, desembuçando-se no momento da imersão. 

Praia de Algés [1912]
À beira-mar
Joshua Benoliel, in AML

As senhoras devem usar a touca de gutta-percha para não molharem o cabelo e quando não tenham a touca não lhes convém mergulhar a cabeça. Basta-lhes refrescar repetidamente a fronte e o alto do crânio com a mão molhada durante o tempo que estiverem na água. [...]
Depois do banho deve ser o corpo rapidamente friccionado com um lençol áspero até dar à pele uma cor rosada. [...]

Praia de Algés [1912]
Na volta do banho e a caminho da barraca
Joshua Benoliel, in AML

Comer imediatamente depois do banho, no período da reacção, é inconveniente. O mais salutar depois do banho é um exercício moderado, um passeio a pé, de meia hora, na praia, debaixo de um chapéu de sol, com o cabelo solto como usam as senhoras nas praias da Alemanha.» [1]

Praia do Estoril [1909]
Nunca esquecer a touca de gutta-percha
Joshua Benoliel, in AML

[1](ORTIGÃO, Ramalho, As Praias de Portugal: Guia do Banhista e do Viajante, pp. 165-168)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics