terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Palacete Porto Côvo

Mas continuemos agora — feita esta derivante — a subir S. Domingos. A grande propriedade apalaçada de portal brazonado, e opulência arquitectónica, n.º 37, (...) é da casa dos Condes de Porto Côvo da Bandeira.

Palácio urbano construído no séc. XVIII, entre 1770 e 1790, para Jacinto Fernandes Bandeira, escrivão do Desembargo do Paço e Conselheiro Real, 1º barão de Porto Covo. Manteve-se na família até 1937, data em que o palácio e todo o seu recheio foram leiloados. O edifício principal e os jardins foram adquiridos pelo Estado Britânico, que entre 1941 e 1995 aí instalou a sua embaixada, o recheio artístico foi comprado por particulares e museus públicos e a capela — da invocação de Santo António — foi entregue ao Patriarcado. Traduzindo uma arquitectura civil residencial pombalina, este palácio surge organizado em U, integrando capela como entidade semi-autónoma e tratamento diferenciado ao nível do alçado.
A fachada principal do palácio, voltada a Este, apresenta-se ritmada por pilastras lisas de cantaria e estruturada em dois pisos, destacando-se o remate da zona central por frontão triangular onde se insere uma pedra de armas britânica, que veio substituir a primitiva dos Porto Covo da Bandeira.
No interior, merecem destaque os lambris de azulejos, a pintura ornamental e os estuques de algumas salas do andar nobre. 

Palacete Porto Covo [1944]
Rua de São Domingos, à Lapa, 35-41
Eduardo Portugal, in AML

Bibliografia
(ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. VII, p. 44, [1938]))
[cm-lisboa.pt]

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics