Sunday, 20 May 2018

Chafariz de Andaluz: a "fonte dagoa dandalusos"

Desconhece-se a origem do nome do sítio. A mais simples — e. porventura,  a mais razoável — é-nos revelada por João Sousa Moura em Vestigios da lingua arabica e☡m Portugal: ou lexicon etymologico das palavras, e nomes Portuguezes, que tem origem arabica (1789):
ANDALUZ طر اندل Andalus. Nome de hum bairro, e de hum chafariz nos arrabaldes de Lisboa, Fregue2ia de S. Sebastião da Pedreira. He appellido de hum homem natural da Andalusia, de quem o lugar tomou o nome: e vem a ser o lugar do Andaluz.


Passado o Viaduto acaba S. Sebastião, e começa Andaluz. O sítio do Andaluz — recorda-nos Norberto Araújo antiquíssimo, o avô de toda esta área, e a sua extensão oral foi muito vasta. Hoje está reduzido a um pequeno Largo, e — com o Largo das Palmeiras de permeio — à Rua do Andaluz, que leva à Praça José Fontana, antiga Cruz do Taboado.
Ora eis-nos defronte do famoso Chafariz de Andaluz [ou a “fonte dagoa dandalusos” (como era conhecida e designada em 1513), e da qual quis el-rei D. Manuel I trazer água para o Rossio], e que melhor diremos «Bica»  É o mais vetusto monumento — pobre monumento! — dêste género em tôda a Lisboa. A pedra da nau, de talhe bárbaro, interessantíssima, tem indiscutível valor arqueológico, e constitue um precioso elemento de estudo.

Chafariz de Andaluz [séc. XIX]
Largo de Andaluz; por trás do chafariz passa a Travessa de Lázaro Verde,
hoje Rua Actor Tasso
Fotografia anónima, in AML

Na inscrição — que não nos é possível ler — vê-se a data de 1374 [vd. N.B.]. O Chafariz do Andaluz, no século XVI muito discutido em demandas para aproveitamento das suas águas, guarda a sua nascente num poço do quintal de um prédio, n.° 26, da Rua de S. Sebastião, onde hoje está instalado o Colégio Parisiense, prédio com quinta que pertenceu no século passado ao ministro do Bairro do Andaluz, João António Mayer; a quinta era no século XVIII de Francisco Garcia Lima, e fôra no principio do século XVI de D. Filipa Mendes. Certo é que desde 1524, pelo menos, a água estava municipalizada.
Há cêrca de vinte anos [c. 1919] a Junta de Freguesia tomou à sua conta a defesa do Chafariz, cuja água diziam. inquinada na passagem dos canos da nascente até ao tanque; a Câmara procedeu a vistorias, que se repetiram há pouco tempo.

Chafariz de Andaluz [entre 193- e 1947]
Largo de Andaluz
Observe-se o tubo de ferro perfurado para recolha da água e o suporte para recipientes
Amaro de Almeida, in AML

Pois a Bica do Andaluz — com seu tanque rectangular — é êste pouco que aqui vês. Na parede do fundo ostentam-se, como padrão, a pedra na qual se vê a nau, à esquerda, e a legenda indecifrável, à direita, e, por cima, um escudo com armas reais. Uma inscrição recentíssima diz: «Esta água é das galerias subterrâneas».

Chafariz de Andaluz [c. 1950]
Pedra de armas de D. Afonso IV sobre uma lápide bipartida, tendo, à esquerda, a nau vicentina das armas do brazão da Cidade e, à direita, a inscrição :
NA ERA DE 1374, O CONCELHO DE LISBOA MANDOU FAZER ESTA FONTE A SERVIÇO DE DEUS E DO NOSSO SENHOR REI DOM AFONSO POR GIL ESTEVES, TESOUREIRO DA DITA CIDADE, E AFONSO SOARES, ESCRIVÃO. A DEUS GRAÇAS
Eduardo Portugal, in AML

Um tubo de ferro estende-se, desde há poucos anos [193-], da parede do fundo até à frente do tanque, facilitando por três orifícios [conseguimos contar cinco]  abertos nesse tubo para a colheita da água, que muitos crêem medicinal — o que não negamos.

Chafariz de Andaluz [entre 193- e 1947]
Largo de Andaluz

Pormenor do tubo de ferro instalado por volta de 1930 e os cinco orifícios
para colheita da água 
Amaro de Almeida, in AML

N.B. Inscrição gravada na lápide que mestre Araújo classifica como "indecifrável": «Na Era de 1374 o concelho de Lisboa mandou fazer esta fonte a serviço de Deus e do nosso Senhor Rei Dom Afonso por Gil Esteves, tesoureiro da dita cidade, e Afonso Soares, escrivão. A Deus graças». Aquela data corresponde ao ano de 1336 da Era Cristã. A bica Funcionou até 1945, ano em que as suas águas foram desviadas para o esgoto por serem «provenientes de matéria orgânica». Chegou a alto estado de degradação, sendo restaurado em 1960.
_______________
Bibliografia
ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. XIV, pp. 85-86, 1939,
Monumentos e edifícios notáveis do distrito de Lisboa, Volume 5, 1962.

6 comments:

  1. This is my first time visit at here and i am really happy to
    read everthing at one place.

    ReplyDelete
  2. Spot on with this write-up, I seriously believe this web
    site needs much more attention. I'll probably
    be returning to read through more, thanks for the info!

    ReplyDelete
  3. I do not know whether it's just me or if eferyone else experiencing issues with your website.

    It seems like sopme oof the text in your poszts are running off the screen. Can someone ele please
    comment and let me know if this is happening to them too?

    This could be a issue with myy browser because I've had this happen previously.
    Thanks

    ReplyDelete
  4. Quality posts is the secret to be a focus for the viewers to pay a quick visit the
    web page, that's what this site is providing.

    ReplyDelete
  5. Carlos Resende24 May 2018 at 00:46

    Há um erro na legenda da 1ª foto. De resto, excelente artigo.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigado pelo reparo. Está corrigida a legenda.

      Delete

Web Analytics