Friday, 6 December 2019

Lojas de antanho: Jardim de Lisboa

Foi em fins de Dezembro  — noticiava, em 1911, a Ilustração Portuguesa — que o sr. J. Peixinho, bem conhecido e antigo florista da Rua do Carmo, [49], inaugurou o Jardim de Lisboa, na Rua Garrett, [66]-68, um esplendido estabelecimento de completa novidade e mais um atrativo da nossa capital.

Para ser mundano, para ser galante, para ser cavaqueador, para ser político, romântico, ou estróina — o Chiado tem as suas livrarias, as suas casas de novidades, as suas tabacarias,os seus cafés, as lojas de moda, os doceiros e os floristas. [Araújo, 1943]

Jardim de Lisboa de J. Peixinho & Filhos, Floristas [ant. 1911]
Rua do Carmo, 49
Joshua Benoliel, in A.M.L.

Em perfumes, sedas, veludos, rendas e flores, foi sempre o Chiado que deu mostras do melhor gosto e da mais fina escolha. Os produtos fabricados, com requintes de arte, e as substâncias da natureza, tratadas com todo o carinho, pelos mais sabedores, mereciam a primeira fila das tentações da mulher. Os perfumes da Bénard e do Robert (da Rua Nova da Trindade), tinham prestígio e chegavam longe. Distinguindo a floricultura artificial, saída das mãos de artistas, há que exaltar o português Constantino José Marques, que obteve em Paris o título de «Rei dos Floristas». As suas prodigiosas flores, tão finamente imitadas do natural, vinham de longe para decorar as principais montras do Chiado. Tornaram-se moda as «flores constantinas».

Jardim de Lisboa de J. Peixinho & Filhos, Floristas [post. 1911]
Rua Garrett, 66-68; à esq. nota-se a montra da Pastelaria Marques
Alberto Carlos Lima, in A.M.L.

Bibliografia
COSTA, Mário, O Chiado pitoresco e elegante, p. 252, 1987.

1 comment:

  1. Howdy! Someone in my Myspace group shared this site with us so
    I came to take a look. I'm definitely enjoying the information. I'm bookmarking and will
    be tweeting this to my followers! Exceptional blog and great style and design.

    ReplyDelete

Web Analytics