Sunday, 1 July 2018

A Sineta de S. Crispim

Maravilhas pequeninas do encanto de Lisboa — e que não chegam a ser maravilha nenhuma — são estas torres sineiras das ermidas, pouco mais que um nicho, e que se topam por aqui e por ali, às vezes já sem sinos, sem ermida, sem função. Parece terem ficado por esquecimento.
Elas foram, na sua nudez estática, a voz dos templos minúsculos, e, ainda hoje, quando soam, é como se fossem badaladas num bairro de bonecas. Há-as por toda a parte antiga da cidade, ligadas às tradições devotas. Cada uma delas tem uma lenda ou uma tradição. Tocaram nas procissões e chamaram para as romarias. 
Esta de S. Crispim — é apenas um apontamento, uma nota fugitiva, quase imperceptível, nas escadinhas que sobem de S. Mamede ao Milagre de Santo António. As coisas grandes fazem a crónica de Lisboa; as pequeninas são a sua iluminura.

A Sineta de São Crispim [1902]
Escadinhas de São Crispim À esquerda, o local da primeira ermida de S. Crispim e S. Crispiniano e, ao fundo, no cimo do muro. observa-se a a pequena torre sineira de S. Crispim
Machado & Souza, in AML

Aqui nas Escadinhas, no ângulo reentrante, à direita, logo adiante de S. Patrício, existia, por 1560, a ermida velha de S. Crispim e S. Crispiniano, da Irmandade dos Sapateiros, templozito todo «cosido de oiro», e que, arruinado pelo Terramoto, durou ainda até 1760. Levantou-se, depois, a Igreja de S. Crispim, na Rua de S. Mamede — dona de sineta. A sineta de S. Crispim! 
Pois S. Crispim não podia passar sem uma lenda. Ela diz que certa mulherzinha cristã, do tempo dos mouros, e quando foi do Cerco, se entreteve, por ardil, a atirar maçãs e castanhas aos sarracenos que se recolhiam â almedina, no intuito de os demorar e serem, assim, menos na defesa. Mais tarde uma Catarina Fernandes, patriota dos quatro costados, e em memória do facto, doou em testamento umas suas casas junto à ermida, para que, em véspera de S. Crispim, de ali se atirassem ao rapazio castanhas e maçãs. Eis uma comemoração bizarra. 
E assim se fez durante séculos e se fazia ainda no século passado. 
Tudo isto nos é recordado pela torrinha sineira, com a sua cruz, a sua corda, a sua janela gradeada, o seu ar de ingenuidade, na evocação da algazarra do rapazio rebolando atrás das camoesas — em véspera da festa de S. Crispim.

A Sineta de São Crispim [1944]
Escadinhas de São Crispim, perspectiva tomada da Rua de S. Mamede À direita, no cimo do muro. observa-se a a pequena torre sineira de S. CrispimMartinez Pozal, in AML

Bibliografia
ARAÚJO, Norberto de, Legendas de Lisboa, pp. 52-53, 1944.

5 comments:

  1. This is a topic which is close to my heart... Thank you!
    Exactly where are your contact details though?

    ReplyDelete
  2. Way cool! Some extremely valid points! I appreciate you penning
    this post plus the rest of the site is also
    really good.

    ReplyDelete
  3. Hello, its nice paragraph concerning media print,
    we all be aware of media is a impressive source of information.

    ReplyDelete
  4. Hello every one, here every one is sharing such experience, therefore it's
    pleasant to read this blog, and I used to
    pay a quick visit this web site every day.

    ReplyDelete
  5. Meu membros da família cada vez dizem que eu sou matando meu tempo aqui no web,
    mas eu sei que estou recebendo conhecimento
    todos os dias lendo tais boa artigos .

    ReplyDelete

Web Analytics