Sunday, 8 December 2019

Lojas de antanho: Pastelaria Marques e Bazar Suisso (Casa Saboia)

Propos-lhe entrarem na pastelaria Marques. Aceitou. Só havia duas mesas de vago, ao fundo. Avançaram para a última. Um criado, de guardanapo no sovaco, casaca indiscretamente lustrosa, acercou-se, inquiriu: 

 — Chá preto ou verde

 — Queres ? 

 — Preto.

 — Traga preto.


Entremos agora nos n.°' 70-72 que, desde 1903, nos dão comunicação à Pastelaria Marques, de Manuel Marques & C.ª, hoje Manuel José de Carvalho, Lda., num edifício que tem interesse histórico por ter sido residência do marquês de Niza¹, e onde estiveram também instaladas a Casa Sabóia, a Perfumaria Francesa e o Turf-C1ub, entre outros. No decurso dos anos aumentou a sua área e chegou a ocupar os n” 66 a 78, dispondo de um grande salão para banquetes. Regista, nos seus anais, a convivência, em animados entretiens, de individualidades muito conhecidas, como o Dr. Pinto Monteiro, Machado Vieira, Dr. Mário Madeira, conde da Ervideira, Sebastião Teles, condes da Aurora, de Bobone, Lousã e das Alcáçovas, visconde do Zambujal, Ramada Curto, e outros.
Foi um dos edifícios afectados pelo incêndio de 1988 e hoje, recuperado, encontra-se aí uma galeria comercial.

¹ Marina Tavares Dias conta que o marquês de Niza, morador no edifício onde se encontrava a Marques, mandara chamar os galegos que por ali passassem e os obrigara a saltar da janela do 1° andar para a rua, dando-lhes depois moedas de ouro, que não foram recebidas porque os galegos tinham fugido.

Lojas de antanho: Pastelaria Marques e Bazar Suisso [c. 1910]
Rua Garrett, 70-72
Joshua Benoliel, in A.M.L.

Onde hoje o leitor encontra a Pastelaria Marques, em pleno Chiado, existia então a conhecidíssima Livraria Gomes, fornecedora de Suas Majestades e Altezas, que se orgulhava de receber, para o cavaco, um escol de políticos e literatos.

Pastelaria Marques, rescaldo de incêndio  [1966]
Rua Garrett, 70-72; à dir., com o toldo escuro vê-se a Casa Sabóia, n.°' 66-68
Judah Benoliel, in A.M.L.

O Bazar Suisso encerrou por volta de 1910. Seguiu-se-lhe o florista J. Peixinho, Lda., com o seu Jardim de Lisboa, provindo da Rua do Carmo, n.° 49. Nos tempos modernos, nos históricos n.°' 66 e 68, entrou a Casa Sabóia, com lindos e vistosos artigos de novidade, um autêntico escrínio de beleza, que a mulher atenta e que gosta de bem vestir, não deixa de apreciar. A propriedade, da firma Matos, Correia & C.ª, estabeleceu-se por escritura de 19 de Dezembro de 1931.

Casa Saboia  [1971]
Rua Garrett, 66-68
Joaquim Pereira Silvestre, in A.M.L.

Bibliografia
COSTA, Sousa, Coração de Mulher, 1955.
COSTA, Mário, O Chiado pitoresco e elegante, p. 168, 1987.

No comments:

Post a Comment

Web Analytics