Sunday, 20 September 2020

Profissões de antanho: o chumeco

Chumeco era, no nosso tempo — diz Calderon Dinis — , a classificação profissional, um pouco depreciativa é certo, que se dava a todo o sapateiro de escada, ao remendão que punha meias solas e gáspeas nas botas, que então os sapatos ainda eram de pouco uso, ou umas tombas a tapar os buracos eventualmente aparecidos.

Chumeco teria sido adaptado ao português vulgar derivado do inglês — shoemaker — que significa sapateiro. 


Magníficos profissionais, sapateiros autênticos, que para eles nunca havia dificuldades, a todos satisfazendo com a mesma bonomia e prodígios de habilidade, fosse a endireitar sapatos cambados de senhoras vizinhas, ou a aliviar joanetes com o alvéolo necessário na gáspea, tudo feito com muita paciência e perícia, embora a freguesia, quase sempre, parca de recursos, fosse exigente.

Sapateiro de escada, engraxadoria [1968]
Rua 1.º de Dezembro, antiga do Príncipe, antes Travessa Camões
Armando Serôdio, in AML

Muitos sapateiros que conhecemos envelheceram nas suas reduzidas oficinas de vão de escada, onde também engraxavam calçado. Sabiam a vida de todos os moradores dos prédios, que eles divulgavam, pitorescamente, enquanto davam lustro aos sapatos. Outros os substituíram, pois que o chumeco remendão, no fim de contas, foi e é um hábil e profissional, grande auxiliar das pessoas que nem sempre podem comprar calçado novo.
Pacientemente, em meio da aparente desordem dos montões de sapatos e botas para consertar, eles conheciam e sabiam a quem pertenciam e nunca se enganavam.

Sapateiro cosendo um sapato [1967]
Alfama
Sid Kerner, in AML


Bibliografia
DINIS, Calderon , Tipos e Factos da Lisboa do meu tempo (1900-1974), p. 274, 1986.

1 comment:

Web Analytics