Wednesday, 13 December 2017

O Conde-Barão e o Merca-tudo

É, com efeito, de certo modo pitoresco — recorda-nos Norberto de Araújo, até nas designações, êste conjunto de ruelas: Rua do Silva, Rua do Merca-tudo, Travessa dos Pescadores, a denotarem antigüidade em semblante que - oculto entre artérias principais - resiste ao progresso urbano. 
Eis-nos no Largo do Conde Barão. Êste dístico provém do Conde-Barão de Alvito cujo Palácio aqui existiu [vd. 2ª foto] — e existe ainda, transformado —, no prédio, esquina da Rua dos Mastros, e que se prolonga para o nascente [...] ¹

Largo do Conde Barão esquina com a Rua do Merca-tudo [Início sec. XX]
Ardina "Olhá a Capital, Lisboa ó Pópular!?"
Fotógrafo não identificado, in AML

Segundo Pastor de Macedo, em "Lisboa de Lés-a-Lés" “Esta rua [do Merca-tudo] diz Mestre Castilho tirava origem de um opulento mercador do século XVI, Afonso Alves, que, por entrar em mil negócios rendosos, e comprar a torto e a direito, mereceu a alcunha de Merca-tudo, que se lhe tornou, creio, apelido. Esse homem instituiu capela no próximo convento da Esperança; e por ele ter casado nobremente a sua herdeira, com um Andrade, da antiga Casa da Torre da Sanha, veio a ser administrador da dita capela (assim como de outros vínculos), o falecido estadista, lente diplomata e muito talentoso e erudito escritor, João de Andrade Corvo.”

Largo do Conde Barão e Rua da Boavis [c. 1900]
À esq. vê-se Palácio dos Condes-Barões do Alvito na esquina com a Rua dos Mastros, nele viveu em 1802, o general Launes, embaixador do rei de França. Luís XVI
Garcia Nunes, in AML














 
N.B. Ao fundo, na 1ª foto, afixados na parede, podem ver-se anúncios do "Real Coliseu de Lisboa" e do, ao que parece, "Teatro do Princípe Real" que levava à cena a aplaudida opereta buffa "O Brasileiro Pancrácio: peça em 3 actos, de costumes populares" com libreto original de Sá de Albergaria e música de Freitas Gazul. No caso do local da peça ser o "Teatro do Princípe Real", então a foto poderá ser anterior a 1911 visto que, depois de 1910, o regime Republicano rebaptizou-o de "Teatro Apolo".
 
Bibliografia
¹ ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. XIII, p. 80-84-

2 comments:

  1. Hey tһere! Sоmeone in myy Myspace gгoup sared this ѕite with սus so I came tto giνe it a look.

    I'm definitely loving the informatіon. I'm book-marking and
    will be tweeting this to my followers! Exccellent blog and
    suρerb style and design.

    ReplyDelete

Web Analytics