Wednesday, 6 December 2017

Monumento da Guerra Peninsular

O Monumento da Guerra Peninsular — um dos mais interessantes e emotivos de todo o país, a despeito do seu peso escultórico — assenta admiravelmente neste começo do Parque do Campo Grande ao centro da Praça Mousinho de Albuquerque [hoje de Entrecampos]. È uma obra de arte capaz de ser entendida por tôda a gente. O povo — quere-lhe bem.


A subscrição pública  iniciou-se logo nesse ano, sendo a primeira pedra colocada em 15 de Setembro O concurso foi ganho pelos artistas J. de Oliveira Ferreira, estatuário, e F. de Oliveira Ferreira, arquitecto, que deram por concluído  o seu magnifico trabalho em 29 de Novembro de 1932. O monumento, alguns meses coberto por umas sarapilheiras, foi descerrado naturalmente — e com gáudio geral — numa noite de temerosa tempestade. 
A inauguração oficial realizou-se em 8 de Janeiro de 1933, com a presença do Chefe do Estado, general Carmona, do Presidente do Conselho, Dr. Oliveira Salazar, do general Teixeira Botelho, presidente da Comissão. e seu animador, e do presidente da Câmara Municipal, general Daniel de Sousa, que recebeu o monumento em nome da Cidade.
Esteve também presente o Embaixador da Inglaterra, Claud Russel, neto de Lord Russel que foi companheiro de Wellington na última fase da Guerra Peninsular.
Demos volta ao Monumento,que bem a merece.

Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular [entre 1933 e 1950]Campo Grande (Entrecampos)
À direita, a embocadura da futura Avenida dos Estados Unidos da América
Judah Benoliel. in AML

Na face principal do pedestal [S.] temos a legenda, expressão do pensamento nacional reconhecido: «Ao Povo e aos Heróis da Guerra Peninsular», e esta outra inscrição: «Levantamento popular pela Independência — Junho 1808».
O fulcro do Monumento é o seu grupo escultórico, ao alto, trabalhado em bronze, e no qual nove figuras, rodeiam a Pátria, que alça o duro gládio de Afonso Henriques, arrebatada que foi a bandeira às garras da águia napoleónica, que corôa o grupo e o monumento; os soldados e o povo da arraia meuda irmanam-se na mesma febre salvadora.

Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular em construção [c. 1932]
Campo Grande (Entrecampos)
À direita, a embocadura da futura Avenida dos Estados Unidos da América
António Passaporte. Colecção Loty

O pedestal está todo êle guarnecido, nas quatro faces e ângulos, de grupos escultóricos, talhados em pedra. Num lado, o da frente [S.], aí temos três vigorosas figuras populares, em magníficas expressões: logo outro grupo, com seis figuras, onde se vê o general Silveira, que arrasta uma peça de artilharia; ainda, no outro ângulo, com um demasiado realismo, algumas figuras de crianças e de mulheres trucidadas,ou mortas de fome. Tôdas estas imagens, talhadas com vigor, no qual a tragédia e a glória de vencer se dão mãos— aformoseam o monumento, no qual estão inscritos versos dos «Lusíadas» e se admira uma evocação, materializada numa alegoria, às glórias e relíquias do passado. ¹

Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular [entre 1933 e 1950]Campo Grande (Entrecampos)
À esquerda, a embocadura da antiga Avenida 28 de Maio, depois de 1974, Avenida das Forças Armadas 
Estúdio Horácio Novais. in Biblioteca de Arte da F.C.G.


Bibliografia
¹ ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. XIV, p. 64-65, 1939.

No comments:

Post a Comment

Web Analytics