Friday, 3 November 2017

Palácio Ulrich ou Veva de Lima no sítio dos Bemcasados

E de S. João dos Bemcasados — porquê? Claro — estás tu a pensar, e bem — porque existiria neste arrabaldino sítio uma Ermida com aquela invocação.

 Existiu, de-facto, erguida no ano de 1581, era isto um sítio campesino, de bons ares, para curas de repouso e estadia de enfermiços. O que não está apurado ao certo é se a Ermida recebeu o nome do sítio, ou se, pelo contrário, êste dela se aproveitou. Vamos por esta última hipótese. ¹


A Casa Veva de Lima ou Palácio Ulrich deve o seu nome ao Embaixador Rui Ennes Ulrich e sua mulher Genoveva de Lima Mayer, cujo nome literário era Veva de Lima. O palacete foi construído em 1894 por Joaquim Augusto Ponces de Carvalho, primeiro e único Conde de Vilar Seco. Posteriormente passaria, por herança, para a posse da casa de Anadia. É a esta família que, em 1920, o Dr. Rui Ulrich arrenda o palácio, procedendo à sua recuperação, com grande fausto e embelezamento interior. A casa acolheu o último salão lisboeta, na tradição romântica de centros de reunião de figuras relevantes dos meios literários artísticos e políticos. É também um dos poucos exemplares subsistentes de arquitetura erudita anterior ao século XX, que mantém, ao nível do vestíbulo e primeiro andar, toda a decoração e recheio originais. 

Palácio Ulrich  ou Casa Veva de Lima [1908]
Rua Silva Carvalho, 238-242, antiga do São João dos Bemcasados; ao fundo vê-se o Palácio Anadia,

do qual já aqui falámos
Machado & Sousa, in AML

A personalidade e gosto da carismática escritora e socialite, Veva de Lima, estão bem marcadas no interior, sendo visível o seu símbolo (uma borboleta ladeada por dois cisnes) em várias partes da casa. As festas e reuniões de ilustres entre os anos 1920 e 1940 foram seguidas de um período mais tranquilo sob a orientação de Maria Ulrich, filha de Veva de Lima, empenhada em actividades educativas e na Ação Católica. A esta senhora se deveu a iniciativa da venda da flor [vd. 2ª imagem] a favor das vítimas da 1º Grande Guerra (1914-1918), onde e sobretudo na zona da baixa lisboeta, senhoras elegantes vendiam e colocavam flores artificiais na lapela dos casacos de senhores.
Em 1980, o palacete é adquirido pela Câmara Municipal de Lisboa e é criada a Associação Casa Veva de Lima, de acordo com os desejos de Maria Ulrich, para manter a tradições de encontros culturais e de espírito humanista iniciados pelos pais. 
À data da sua construção, o palacete desfrutava de uma magnífica vista, incluindo todo o Tejo, do nascente até à barra, bem diferente do aperto em que o colocaram as construções modernas. ²

Venda da Flor, iniciativa da escritora Genoveva da Lima Mayer Ulrich, ao centro) a favor das vítimas da I Grande Guerra [1917]
Rua Áurea com a Rua do Comércio
Joshua Benoliel, in AML

Bibliografia
¹ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. XI, p. 72.
² in agendalx.pt/Tomás Collares Pereira.

4 comments:

  1. Generally I don't learn article on blogs, but
    I would like to say that this write-up very forced me to take a look at and
    do so! Your writing taste has been amazed me. Thank you,
    very nice article.
    wholesale jerseys

    ReplyDelete
  2. Hi to every one, it's truly a faѕtidious for mе to pay a visit this site, it incluⅾes ρricеless Informatіon.

    ReplyDelete
  3. Aqui filmou João Botelho os "seus" Maias.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Diz bem "os Maias dele"- O Eeça merecia melhorr.

      Delete

Web Analytics