Wednesday, 1 November 2017

Dia dos Fiéis Defuntos, dos Finados, dos Mortos ou das Almas

A  igreja catoliciza celebra nos dois primeiros dias de Novembro do as festas principais. A primeira em honra de todos os Santos, e a segunda em comemoração dos defuntos. A origem da festa de Todos os Santos remonta ao principio do século VII — No ano de 607 o papa Bonifácio IV, havendo obtido do imperador Phocas o celebre templo chamado o Pantheon, o purificou e dedicou à Virgem e aos mártires. Ora como o nome de Pantheon significa templo de todos os deuses, e que efectivamente naquele soberbo edifício se viam os simulacros de todos os falsos nomes do paganismo, que foram substituídos por outras tantas imagens de diversos santos, o povo conservando a memória do antigo titulo, lhe ficou sempre chamando o templo de todos os santos. Ora como não era possível festejar separadamente todos os santos, cujas imagens ali se veneravam, o papa lembrou--se de instituir uma festa só para todos os santos, que desde então se ficou celebrando em Roma, porém, foi somente nos primeiros anos do século IX (835 d.C.) que o papa Gregório IV. mandou que esta festa fosse recebida em toda a cristandade, e celebrada no 1.º de Novembro.
A comemoração dos defuntos foi pela primeira vez celebrada, no décimo século, por Santo Odillon, abade de Cluny (998 d.C.), e brevemente se espalhou por toda a França, mas foi mais de um século depois que a igreja universal a adoptou [foi, porém, no século XIII que esse dia ganhou uma data definitiva: 2 de Novembro]. ¹

Tomando emprestado ao texto do clássico Diccionario  da  Lingua  Portugueza de António de Morais Silva — a mais importante referência na história da lexicografia portuguesa dos últimos 200 anos — a definição para o termo morto encontramos o seguinte:
§, Morto, Defuncto, Finado, empregão-se estes tres vocabulos para significar o homem, que cessou de  viver: esta é a sua synonymia: mas cada um delles exprime por diferente modo a mesma idéa. Morto é o termo proprio, com que significamos precisamente o estado de um ser, que deixou de ter vida; e por isso se diz genericamente não só do homem, mas tambem dos animaes, e ainda de outros seres em que consideramos vida: assim dizemos homem morto, animal morto, planta morta, fogo morto, etc. Defuncto e finado são termos figurados, que empregamos, por eufemismo, em lugar de morto, mas sómente fallando do homem. V. Synonymos por D. Fr. Francisco de S. Luiz, t. 2. pag. 127.] ²


Praça Dom Pedro IV, funeral [etre 1903 e 1908]
Rossio, lado poente; a seguir à loja com o toldo, começa a Calçada do Carmo

Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House
(*) local não identificado no arquivo

Para aligeirar o tema lançamos mão de um antigo conto — Os Mortos na Crendice Popular por Adelino Reis de Sousa — cuja história reza assim:

Amanhã, tia Micaela, é dia dos Fieis Defuntos. Os sinos: tlin... tlão... tlin... tlão... enchem-me a alma de tristeza.
— E a mim, também, tia Brígida; mas que lhe havemos de fazer? Dizem que neste dia, os mortos se levantam dás sepulturas e vêm, à hora da meia-noite, visitar a família.
— O ano passado, tia Micaela, pareceu-me ouvir uns passos na cozinha.
— Talvez fosse o seu defunto homem. — Se fosse, ele, vinha ter comigo e contava-me se a sua alminha está em bom ou mau lugar. Amanhã, tenciono ir ao cemitério pôr-lhe um ramo de flores na campa. Vou de dia, porque o ar da noite é muito perigoso.
— A tia Zefa do Cantinho morreu, há três anos, com um ar que lhe deu, ao passar à meia-noite, pelo cemitério. Tinha ido, já bastante tarde, ao moinho das Pedras Brancas, buscar uma saca de farinha para cozer o pão, no dia seguinte, de madrugada. No moinho demorou-se muito a tagarelar com a mulher do moleiro. Quando voltava, para casa, passou junto do adro da igreja, que dá para o cemitério. Vinha fatigada, porque a saca era de dois alqueires. Pousou-a no chão, para descansar um pouco. No relógio da Torre dava meia-noite. De repente, olhou para o adro e viu, uma grande procissão: muitos homens vestidos de branco, com uma tocha acesa. — «Ora, esta! cochichou, consigo, a tia Zefa; — uma procissão, a estas horas da noite?!» — Lembrou-se, então, que era dia dos  Fiéis Defuntos. — «E se eu pedisse, a algum deles, que me ajudasse a levantar a saca?» Dito e feito. Aproximou- .se, e disse para um: — «Ó tiosinho, ajuda-me a pôr esta saca à cabeça ? — «Não posso, respondeu o defunto; estou muito fraco, morri de maleitas.» A tia Zefa reconheceu, entre os defuntos, um compadre, que tinha morrido havia três anos. Dirigiu-se a ele: — «Ó compadre, ajuda-me a pôr a saca à cabeça?» O compadre saiu da procissão e foi ajudar a comadre a erguer a saca, e disse-lhe:
— «Ó comadre, não lhe torne a suceder outra. Vocemecê não sabe que é um grande perigo passar pelo cemitério, a estas horas, e principalmente, na noite d'hoje? Adeus, não me posso demorar. As sepulturas ainda estão abertas, mas vão fechar-se. Dê muitas recomendações a minha mulher, e diga-lhe que a minha alminha está em bom lugar.»
— «Adeus, compadre, e obrigadinho.:.».³

Rua Alexandre Herculano, carro funerário [etre 1903 e 1908]
]Casa Ventura Terra
Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House
(*) local não identificado no arquivo

Bibliografia
¹ Archivo Popular, Vol. 2, p. 376, 1838  
² Diccionario  da  Lingua  Portugueza de António de Morais Silv, t. II, 183
³ REIS de SOUSA, Adelino, Contos prosápias e facécias, p. 12, 1960

2 comments:

  1. Qualidade conteúdo é o importante para ser um foco para o visitantes
    para uma visita o local , é disso que local está fornecendo.

    ReplyDelete
  2. Alguma vez considerado publicação um livro
    ou convidado de autoria de outro sites ? Eu tenho um blog centrado
    na mesma tópicos você discutir e teria amo tê-lo a compartilhar algumas histórias/informações.
    Eu sei meu leitores seria desfrutar seu trabalho.
    Se é nem remotamente interessado, sinta-se livre para
    atirar me um e-mail.

    ReplyDelete

Web Analytics