Friday, 1 September 2017

Presépios do Menino Deus: Casa Quinhentista

Já agora demos uns passos por êstes becos e reentrâncias, bem primitivas, do Largo Rodrigues de Freitas, antigo Largo de Santo André. 


Levam, as casas quinhentistas do Menino Deus, quatrocentos anos. Sempre assim tal qual as vemos? Não seria possível que estes presépios durassem tanto em sua fisionomia primitiva, sem um restauro, sem um toque dos alva- néis. Mas assim mesmo, tal qual estão, e adoráveis, são os únicos espécimes representativos da construção popular no tempo do «Venturoso». Fazem parte da zona pitoresca do velho sítio de Santo André, na na encosta que tem a Igreja do Menino Deus por marco sagrado. 

Largo Menino Deus [ [c. 1900]
Casa Quinhentista no antigo Largo de Santo André; Beco dos Fróis (Froes)
José Artur Leitão Bárcia, in AML

As casas da Rua dos Cegos e do antigo Largo de Santo André — são duas aguarelas. Dois mimos que se contemplam com veneração e ternura, aqui neste sítio — onde se topam ainda exemplares setecentistas, em casas pobríssimas, e que existem por milagre.  
As duas casas quinhentistas — monumentos da poesia urbana popular — têm «cabelos brancos, cor-de-rosa». A da Rua dos Cegos, de um andar único, já sem o painel de azulejos que perdura na aguarela de Roque Gameiro — é um apontamento ingénuo da arquitectura cenográfica bairrista, um pouco ao tipo de Alfama, conspurcada pelas idades.
A do Largo de Santo André [actual Largo Rodrigues de Freitas], a par do Menino Deus — é um amor. Pequenina, inevitavelmente cor-de-rosa, com sua escada exterior, sua antiga adufa a tocar o beiral do telhado — constitui o mais delicado esquiço urbano da Lisboa antiga. Envolve-a o Beco do Fróis [à esq.], em cotovelo, recanto humilde, do tipo pitoresco inocente, que guarda flores a espreitar das gelosias. 

Casa Quinhentista no Largo do Menino Deus [1911] 
Antigo Largo de Santo André actual Largo Rodrigues de Freitas
 É um "monumento nacional" de pôr em cima de um contador
Renascença de um Museu ainda por criar. (Araújo, 1938)

Roque Gameiro, aguarela

Tudo isto por aqui — rescende. Evola-se das cousas um perfume de alfazema, como das roupas frescas de um bragal. E, contudo, parece que o negrume do templo setecentista escorre, extravasa, entra nas ruelas e asfixia a sensibilidade. O velho Santo André, já sem igreja e já sem arco, só existe no dístico da Calçada. Mas ainda podemos ver, pelos olhos da imaginação, as velhinhas moradoras daqueles pitorescos presépios quinhentistas, embio- cadas, tairocando, rosário entre os dedos, atravessarem o empedrado do largo, cortarem o alpendre, entrarem na velha paroquial de D. Dinis — e ajoelharem diante da imagem de Nossa Senhora da Vida.

Casa Quinhentista no Largo do Menino Deus [1911]
Antigo Largo de Santo André actual Largo Rodrigues de Freitas
 É esta casita, não menos pitoresca, pequenina, inevitavelmente côr de rosa, de delicado traço,
com sua escada exterior, a sua janela, antiga adufa, encostada ao beiral do telhado,
que lhe cai como um "sombrero" curto, a sua porta esguia, monumento de
humildade encravado num prédio, quási tão modesto como ela.(Araújo, 1938)

Roque Gameiro, aguarela

Bibliografia
(ARAÚJO, Norberto de, Legendas de Lisboa, vol. II, pp. 162-163)
(idem, Peregrinações em Lisboa, vol. II, pp. 74-77)

No comments:

Post a Comment

Web Analytics