Wednesday, 27 September 2017

O sítio dos Remolares

Pois, dilecto, estamos de novo nos Remolares área de S. Paulo  e da Ribeira Nova. Entramos, outra vez, no movimento da Lisboa marítima, no pitoresco desfigurado.

Vale uma pausa.


Um dos sítios da nossa Peregrinação — afirma Norberto de Araújo — ao qual já ligeiramente me referi — os Remolares — perdura ainda em reminiscência viva nos dísticos de uma Rua e de uma Travessa. Mas em verdade a designação oral sucumbiu, como sítio. A Ribeira Nova, mais a poente, e em cujo Largo finda a Rua dos Remolares, tomou-lhe o lugar. Ninguém diz: «eu moro nos Remolares», tomando assim as serventias por sítio. Mas diz-se: «fui à Ribeira Nova» ou «êle é muito da Ribeira», sem que esta maneira de dizer queira referir-se ao Mercado.

Rua dos Remolares com a Travessa dos Remolares [1858]
Do lado esquerdo vê-se o antigo Mercado da Ribeira Nova¹ (actual Mercado 

da Ribeira) e, ao fundo, o extinto forte de S. Paulo onde hoje se situa 
a Praça de D. Luís I
Amédée de Lemaire-Ternante (atrib.), in CPF

Neste sítio existiu [hoje ocupado pela Praça D. Luís I] o Forte de S. Paulo [vd. mapa abaixo], um dos teóricos baluartes seiscentistas de defesa marítima de Lisboa, e cujos restos começaram a ser demolidos em Janeiro de 1865, já depois de delineada, em plano, a Praça nova. Poucos anos depois o local estava arborizado.

Travessa dos Remolares com a Rua dos Remolares [c. 1913]
Perspectiva tirada da  Rua Nova do Carvalho (N→S)
Joshua Benoliel, in AML

«Sítio dos Remolares» — Rua e Travessa dos Remolares (cor laranja) [1856}
Da dir. para a esq.: antigo Mercado da Ribeira Nova (vermelho), antigo Forte  de S. Pauulo (azul), futura Praça D. Luís (verde) e antiga Fábrica de Gás da Boavista (negro)-
Levantamento topográfico de Lisboa, sob direcção do Eng.º Filipe Folque, 1856, in AML

Nota(s):
¹ «Ribeira Nova» e não da «Ribeira Velha» como refere o arquivista do CPF. O mercado da «Ribeira Velha» ocupava terrenos em frente à Casa dos Bicos vulgo Campo das Cebolas. Mas os disparates não se ficam por aqui. Acrescenta o autor: «Nesta fotografia pode ver-se ao fundo uma praça que deu abertura para o mítico Cais do Sodré. Pode ver-se ao fundo a Sé Catedral (sic)». É caso para dizer «nem sabes para onde estás virado», já que a imagem é voltada a poente, e não a nascente, como é sugerido; de qualquer modo seria de todo impossível ver a «Sé Catedral» a partir da Rua dos Remolares, quando muito, poder-se-ia ver a Basílica da Estrela. O que se consegue observar distintamente, isso sim, são as chaminés da antiga Fábrica de Gás da Boavista.
_______________________
Bibliografia
(Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, vol. XIII, pp. 55-58)

No comments:

Post a Comment

Web Analytics