quarta-feira, 22 de março de 2017

Rua da Palma, 167-169

«Armazém Cninez» de J. J. da Cunha, casa fundada em 1887


Esta Rua, desafogada — relembra-nos Norberto de Araújo — hoje constituindo uma única artéria, das trazeiras de S. Domingos ao Intendente, divide-se em dois troços. O primeiro chega só à Guia [Martim Moniz] e é muito antigo, havendo sido nos séculos velhos arruamento dos comerciantes alemães que cultivavam religiosamente a lenda da palma que florira na sepultura do cavaleiro cruzado Henrique, sacrificado na Tomada de Lisboa, em 1147; foi rua sempre estreita, muito mais do que hoje é, bastante mercantil, caracterizada pelos negócios de ourives e prateiros. 

Rua da Palma, 167-169  [c. 1910] 
«Armazém Cninez», casa fundada em 1887 [demolido]
Joshua Benoliel, in AML

Rua da Palma, 167-169  [c. 1910] 
«Armazém Cninez», casa fundada em 1887 [demolido]
Joshua Benoliel, in AML

Bibliografia
(ARAÚJO, Norberto de, «Peregrinações em Lisboa», vol. IV, pp. 24-25)

1 comentário:

  1. Lindíssimo que pena não poder ver ao vivo este armazém. E os bigodes dos empregados, brutais.

    ResponderEliminar

Web Analytics