terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Palácio Vagos (Paço de S. Cristóvão)

O antigo Palácio dos Condes de Aveiras, Marqueses de Vagos, em S. Cristóvão — hoje revestido de um semblante burguês incaracterístico — entra no inventário patrimonial de Lisboa apenas por seu significado e expressão histórica subjectiva. Ê uma peça urbana do século XIX, mas de remoto fundamento nuclear. Com efeito eleva-se este edifício onde assentou, em área mais reduzida, e de mais recuada frontaria em relação ao século XVIII, o Paço — ou Paços — de S. Cristóvão, que pertenceu ao 1.º Duque de Bragança, D. Afonso, ao 2.º D. Fernando I, e depois ao filho deste, D. Álvaro, Regedor da Justiça (....) 


Neste sitio diz Norberto de Araújo assentaram os Paços de S. Cristóvão, nos séculos XV e XVI, com grandes tradições realengas e cortezãs, e que no tempo deíáiíl D. João II pertenceram a D. Alvaro de Bragança, Regedor das Justiças [e daí se deu à rua que vai do Largo de S. Cristóvão para o Largo do Caldas o nome de Rua do Regedor], filho de D. Fernando, l.º Duque dêste título. Quando do Terramoto, as riquezas dêste Palácio, já dos Condes de Aveiras [e marqueses de Vagos], que nele haviam feito em 1740 grandes melhorias, desapareceram completamente, salvando-se apenas a livraria. O portal, que notas aqui na Rua do Regedor, deve ter sido aproveitado da primeira fábrica, quando da obra anterior ao Terramoto, e ficou sempre como um sinal de atenção para o  passado solarengo e pação da casa. 

Palácio Vagos ou S. Cristóvão [1901]
Largo de São Cristóvão, 1; Rua do Regedor, 2
Machado & Souza, in AML

Nos tempos em que êste edifício foi Paço, nele se realizaram as pomposas festas do casamento de D. Leonor, filha do Rei D. Duarte, com o Imperador Frederico III da Alemanha; neste Paço nasceu o malogrado principe D. Afonso, filho de D. João II, e porventura o próprio «Principe Perfeito».
Certo é terem no Paço de S. Cristóvão reunido, em 1456, as Côrtes para aclamarem êste Rei.

Palácio Vagos ou S. Cristóvão, portal lateral [1901]
Rua do Regedor;portal gótico quatrocentista de colunas torsas, incluindo a do 
travejamento, único elemento do conjunto classificado como Monumento Nacional (1910)
Machado & Souza, in AML

Em 1864 pode ler-se na Lisboa antiga e Lisboa moderna comprou-o então o rico capitalista Leomil, que daquelas ruínas fez ressurgir uma das mais lindas casas de Lisboa. Aproveitou-lhe a fachada principal, que ficara incólume, limitando-se a substituir as armas da família Vagos pela firma de seu uso. As armas representavam um belo cão. Para o lado do Caldas tem o palácio um lindo jardim e uma esplêndida fachada que sobre ele deita [3ª. foto]. Dá entrada ao jardim um elegante portão de grades, de moderna factura. Pelo lado da Rua do Regedor [2ª. foto]. há uma porta que é ainda da primitiva edificação, quando ali residiam pessoas da família real.

Palácio Vagos ou S. Cristóvão [1901]
Largo do Caldas com a Rua do Regedor (esq); portão de acesso ao antigo jardim do palácio (ambos demolidos) virados ao Caldas
Machado & Souza, in AML

O Palácio Vagos ou S. Cristóvão foi objecto de novas intervenções, tanto no séc. XIX, como no séc. XX, dando lugar ao acrescento de pavilhões anexos e de novos andares,conferindo o aspecto actual ao edifício,pertencente à Associação de Socorros Mútuos de Empregados de Comércio de Lisboa, desde 1913.

Bibliografia
(ARAÚJO, Norberto de,Inventário de Lisboa: Monumentos históricos, p. 57)
(Lisboa antiga e Lisboa moderna : elementos históricos da sua evolução, pp. 10-11, 1900)

2 comentários:

  1. Apenas uma curiosidade: Abel Botelho, em "O Barão de Lavos", situa neste palácio o "palacete do barão". Várias dicas ao longo do texto apontam para isso: a proximidade da igreja de S. Cristóvão ("Breve, casaram, em S. Cristóvão, perto do palacete do barão"), o portão para o Largo do Caldas, as janelas de onde se vê o Tejo ao fundo da rua da Madalena, etc.

    Estamos a preparar uma edição anotada de "O Barão de Lavos" (http://obaraodelavos.blogspot.pt/2012/07/o-barao-de-lavos-cap-1-sec-1.html) e, com a vossa permissão, faremos uma referência a este vosso excelente artigo sobre o Palácio de Vagos.

    ResponderEliminar
  2. Gratos pelo apreço. Podem fazer referência ao n/artigo, com todo o gosto.

    ResponderEliminar

Web Analytics