Friday, 8 July 2016

Rua da Palma

(...) deslizavam carros eléctricos pintados dum amarelo ovo magnificente. E a tilintada surpreendia o meu ouvido...

(AQUILINO, Aquilino, Lápides Partidas)

 

Os bancos do eléctrico, de um entretecido de palha forte e pequena, levam-me a regiões distantes, multiplicam-se em indústrias, operários, vidas, realidades, tudo. Saio do carro exausto e sonâmbulo. Vivi a vida inteira.

(Bernardo Soares/Fernando Pessoa. (1888-1935). Livro do Desassossego)


Rua da Palma [finais da década de 1950]
Depois das demolições da Mouraria
Eduardo Portugal, in AML

Norberto de Araújo recorda-nos a origem do topónimo Palma: «Esta Rua, desafogada, hoje constituindo uma única artéria, das trazeiras de S. Domingos ao Intendente, divide-se em dois troços. O primeiro chega só à Guia [Martim Moniz] e é muito antigo, havendo sido nos séculos velhos arruamento dos comerciantes alemães que cultivavam religiosamente a lenda da palma que florira na sepultura do cavaleiro cruzado Henrique, sacrificado na Tomada de Lisboa, em 1147; foi rua sempre estreita, muito mais do que hoje é, bastante mercantil, caracterizada pelos negócios de ourives e prateiros. »
(ARAÚJO, Norberto de, «Peregrinações em Lisboa», vol. IV, pp. 24-25)

Rua da Palma [1949]
Antes das demolições da Mouraria; cruzamento com a antiga Rua Martim Moniz [Guia]
Eduardo Portugal, in AML

No comments:

Post a Comment

Web Analytics