Wednesday, 16 March 2016

O Arco do Bandeira e «a Tendinha»

   «Ora da razão do «Arco (do) Bandeira» eu te direi num passo mais adeante. Foi esta curiosa Rua, cujo nome oficial é o de Rua dos Sapateiros, destinada a instalações de lojas daquêle ofício e comércio, o que hoje apenas se marca nos lanços transversais de Santa Justa. Não foi pelos sapateiros que se celebrizou, mas pelos seus cafés, dois dos quais notáveis no século passado: o Marrare das Sete Portas e o Montanha.(...)

Arco do Bandeira e «a Tendinha» [1944]
Praça D. Pedro I; a localização de «a Tendinha» está assinalada na ombreira da porta estreita
por uma pintura da Lisboa antiga, na qual vemos o empregado a dar de beber a um cavaleiro
Armando Serôdio, in AML
  
 Este botequim — último botequim do Rossio — «a Tendinha», data de 1840. Representa nesta Praça de D. Pedro que, se moderniza nas lojas dos grandes prédios todos os meses, uma tradição da boémia antiga, do tempo das tipóias e do regresso das corridas do Campo de Sant'Ana. Foi neste botequim que Malhoa descobriu o Amâncio fadista, ladrilheiro de ofício, o modelo do seu célebre quadro «O Fado».


Arco do Bandeira [196-]
Rua dos Sapateiros (antiga do Arco do Bandeira)
Artur Pastor, in AML

Falei-te atrás, incidentalmente do Arco do Bandeira. O prédio, com seu arco e janelão, foi construído no final do século XVIII, quando a Praça pombalina ganhava tessitura de edificação urbana, por um capitalista Pires Bandeira, que julgou prudente — ou a Câmara lho mpos (não sei) regular a fachada central do seu prédio pela da Inquisição.» [ou Palácio dos Estaus, local onde hoje se ergue o Teatro D. Maria] [1]

Arco do Bandeira [194-]
Rua dos Sapateiros (antiga do Arco do Bandeira)
Eduardo Portugal, in AML

[1](ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. XII, pp. 54-75)

No comments:

Post a Comment

Web Analytics