Thursday, 18 February 2016

Rua Morais Soares

No início do século XX, quase toda esta zona no termo da cidade era, ainda, maioritariamente composta por quintas: Quinta do Papagaio, do Fole, da Ladeira, do Alperce,  dos Pacatos, do Bacalhau, da Perna de Pau, do Areeiro. da Curraleira, e as quintas da Horta da Cera  e da Brasileira, estas duas contíguas à Rua Morais Soares e que se vêem na imagem. Do lado esquerdo vê-se parte do Hospital de Arroios na antiga Estrada de Sacavém que, juntamente com a Azinhaga do Areeiro dir.), seguiam para N., na direcção do Areeiro. O local onde se vê o carro funerário está assinalado na carta topográfica com um círculo vermelho (fig. 2 ). 

Panorâmica tirada da zona da Penha de França [c. 1900]
Cortejo fúnebre na Rua Morais Soares a caminho do cemitério do Alto de São João.
José Artur Leitão Bárcia, in AML

Rodrigo de Morais Soares (1811-1881) foi bacharel em Medicina pela Universidade de Coimbra. Depois da organização do ensino é feita pelo governo liberal, foi nomeado professor e comissário de estudos em Vila Real. Em 1848 foi eleito deputado pela primeira vez, voltando às câmaras em várias legislaturas. Quando em 1852 se criou a Secretaria das Obras Públicas foi nomeado chefe da Repartição de Agricultura, e mais tarde director geral. Nestes lugares prestou relevantes serviços, principalmente com a fundação da Quinta Regional de Sintra, a que deixou a sua biblioteca, a criação do Instituto Agrícola e dos postos hípicos. Em 1858 fundou o Arquivo Rural, importantíssimo jornal de agricultura e artes e ciências correlativas. Colaborou também no Recenseamento Geral dos Gados. Escreveu muitos opúsculos notáveis sobre assuntos agrícolas, financeiros, etc. Teve o seu nome a Escola de Regentes Agrícolas de Santarém, que foi depois transformada em Escola Prática de Agricultura em 1910. Tem em Lisboa uma rua com o seu nome.
(Dicionário dos mais ilustres Transmontanos e Alto Durienses» vol. I, coordenado por Barroso da Fonte)

Fig. 2 - Fragmentos das Plantas Topográficas de Lisboa 11 K e 12 K, Levantamento da Planta de Lisboa: 1911
por Júlio António Vieira da Silva Pinto

4 comments:

  1. Que bom ter encontrado este Bolgue sobre Lisboa !!!!!! Parabéns

    ReplyDelete
    Replies
    1. Gratos pelo apreço. São comentários como os seus que nos dão motivação para continuarmos.

      Delete
  2. Parabéns pelo vosso excelente trabalho de pesquisa :)

    ReplyDelete

Web Analytics