sábado, 20 de fevereiro de 2016

Rua da Mouraria

O olisipógrafo Norberto Araújo caracteriza da seguinte forma este arruamento do vetusto Bairro da Mouraria, onde, até aos fins do séc. XIII chegava a água do Tejo:
 «A Rua da Mouraria é o trôço —  a Avenida bairrista —  que começa no Arco Marquês do Alegrete e termina na Rua Fernandes da Fonseca, no ponto de convergência da Rua do Bemformoso, Rua dos Cavaleiros e Calçada da Mouraria. (...) Os grandes edifícios urbanos da Rua são quási todos do segundo e terceiro quartéis do século passado. (...) 


Rua da Mouraria [1918]
Embocadura da Rua do Capelão (dir.), vendo-se ao fundo a Calçada da Mouraria. Os edifícios do lado esquerdo foram demolidos para construção do ominoso Centro Comercial da Mouraria
Legenda da fotografia: «A Obra da Assistência 5 de Dezembro, o Presidente Sidónio Pais agradece as manifestações que lhe são feitas no largo da Guia, onde foi inaugurar a distribuição da sopa aos pobres»
 Joshua Benoliel, in AML

Repara, Dilecto, no conjunto desta Rua, de fachadas que não oferecem antiguidade e desenho bizarro, mas que, exactamente pelo conjunto, são o mais típico possível de post-Terramoto: os prédios são altos
e estreitíssimos (alguns pouco mais têm do que quatro metros), como por exemplo, defronte do Capelão, os dos n.°” 39-41, 53-55, 57-59. Vê-se' que as construções ganhavam na vertical o que perdiam na largueza.»
(ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. III, pp. 71-74)


Rua da Mouraria [1949]
Ao fundo, o antigo Arco do Marquês do Alegrete, demolido 
em meados de 1950 para dar lugar à actual Praça do Martim Moniz
Eduardo Portugal, in AML

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics