Thursday, 28 January 2016

Palácio Dona Rosa

« Ora eis-nos no Largo de D. Rosa, que deriva o nome dêsse prédio, também de solar antigo, sob o qual se abre o Arco e sobem as Escadinhas daquela designação. Quem foi essa D. Rosa — custa-me confessar-to — não o sei, e já o soube; (...)» [1]

Norberto de Araújo poderá ter-se esquecido quem foi a Dona Rosa que deu nome ao sítio. Cabe-nos, pois, na medida do possível, tentar lançar alguma luz sobre este tema.  
Este prédio setecentista, solar antigo - conhecido por Palácio Dona Rosa -assente sobre uma estrutura pré-pombalina, terá pertencido a Dona Rosa Mello de Castro da Costa Mendonça e Sousa, Morgada do Alcube e de Colares, detentora do ofício hereditário de Porteiro-mor do Reino, senhora de enorme fortuna e «bem conhecida da alta sociedade lisbonense», [2] que, além desta Casa em.Alfama, era igualmente proprietária do Palácio do Cunhal das Bolas, ao Bairro Alto e o das Portas do Sol (Palácio Azurara) onde estão as Oficinas da Fundação Ricardo Espírito Santo. [3]

Palácio da Dona Rosa [c. 1900]
Rua dos Remédios, 139-139A;à esquerda a antiga capela depois taverna; Escadinhas do Arco da Dona Rosa;

Fotógrafo não identificado, in AML

Um olhar mais atento à fachada exterior do nº 139 da Rua dos Remédios deixa antever que, no séc. XVIII, ostentava notória beleza arquitectónica. Um interessantíssimo exemplar de casa apalaçada urbana sobretudo pela articulação dos dois corpos da fachada (habitação e capela) através do Arco Dona Rosa e Escadinhas daquela designação. A cruz e os pináculos que coroavam a fachada foram retirados. Cerca 1880, o púlpito e o tecto de madeira com pinturas em tela foram transferidas para uma igreja em Alhandra, ficando apenas com os painéis de azulejos barrocos das antigas capela (depois taverna) e sacristia. Do portal principal, flanqueado por dois grandes vãos de janelas gradeadas, acede-se ao pátio que foi nobre, e que, por sua vez, abre sobre um logradouro: o Largo de D. Rosa. Em 1924, o prédio (já desfigurado) foi vendido a outros proprietários, tendo sido transformado num conjunto de habitações. Actualmente decorre uma empreitada de recuperação, restauro e reabilitação do conjunto de edifícios destinados a habitação.

Rua dos Remédios, 139-139A [c. 1900]
Escadas de acesso ao pátio e terreiro do Palácio da Dona Rosa

Fotógrafo não identificado, in AML

[1] ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. X p. 100
[2] CASTILHO, Júlio de, Lisboa Antiga
[3] CASSIANO NEVES, Pedro Mascarenhas, Casas e Palácios de Lisboa: Pedras d'Armas

No comments:

Post a Comment

Web Analytics