Sunday, 31 January 2016

Tabacaria Estrela Polar

A centenária Tabacaria Estrela Polar (1860-1963) - na esquina da Rua Garrett com a Rua Ivens - foi fornecedora da Casa Real, loja onde o rei D. Carlos se abastecia de charutos.

Clube Tauromáquico Português (Tabacaria Estrela Polar) ornamentado por ocasião da visita do Rei Eduardo VII [1903]
Esquina da Garrett, 37-39; Rua Ivens, 74-76

Fotógrafo não identificado, in AML

No 2.º andar do prédio instala-se o Clube Tauromáquico Português (fundado a 23 Fevereiro de 1892, do qual foram principais organizadores João Rodrigues Batalha, Palha Blanco e Luís Gama). A Casa da Sorte ocupa o espaço desde 1963.

Tabacaria Estrela Polar [c. 1910]
Esquina da Garrett, 37-39; Rua Ivens, 74-76

Joshua Benoliel, in AML

Roberto Ivens (1850-1898), a quem este arruamento homenageia foi um oficial da Marinha que em 1877, juntamente com Hermenegildo Capelo e Serpa Pinto, recebeu o encargo de explorar os territórios compreendidos entre Angola e Moçambique, estudando, nomeadamente, as bacias hidrográficas do Zaire e do Zambeze. Com Hermenegildo Capelo levou a cabo duas expedições - 1877/80 e 1884/85 - conhecidas através dos relatos «De Benguela às Terras de Iaca» (1881) e «De Angola à Contracosta» (1886).

Tabacaria Estrela Polar [c. 1963]
Esquina da Garrett, 37-39; Rua Ivens, 74-76

Joshua Benoliel, in AML

Saturday, 30 January 2016

Avenida dos Estados Unidos da América

No período da República (Edital de 07/08/1911), a Câmara de Lisboa evocou na sua toponímia sobretudo, os estrangeiros que defenderam ideias liberais e republicanos . Por isso a homenagem ao país da Estátua da Liberdade, para além de ter denominado também o Bairro América onde, em 1924, perpetuou nas placas toponímicas os americanos Franklin - estadista preponderante na independência das 13 colónias norte-americanas em 1783 e também inventor do pára-raios e Washington- o 1º Presidente dos Estados Unidos da América.

Avenida dos Estados Unidos da América [1963]

Cinema Quarteto

O autor do projecto de construção foi o arq.º Nuno San-Payo, seguindo a ideia do seu criador Pedro Bandeira Freire. O edifício era constituído por quatro pequenas salas, com lotação de 716 lugares, distribuídas pela cave e 1º andar, aos quais se acedia através de uma escadaria decorada com dezenas de cartazes, depois de se ter franqueado o átrio ao nível do r...és-do-chão, onde se situavam as bilheteiras e o bar. 

Cinema Quarteto [1977]
Rua Flores de Lima, 16: 
Vasques, in AML

Teve bastante sucesso até aos anos 90 com um público fiel, mas começou a entrar em declínio no novo milénio. A 16 de Novembro de 2007 o espaço foi encerrado na sequência de uma vistoria da Inspecção-Geral das Actividades Culturais, por não reunir todas as condições de segurança, nomeadamente, saídas de emergência em número suficiente, sistema de detecção de incêndios e revestimento de paredes e pavimento com materiais inflamáveis. As obras necessárias para a reabilitação do espaço eram incomportáveis para a gerência, que acabou por optar pelo encerramento definitivo.

Friday, 29 January 2016

Lago do Parque Eduardo VII

Denominado Parque da Liberdade, foi rebaptizado, por deliberação da C.M.L., em sessão realizada a 13 de Abril de 1903, por ocasião da visita a Lisboa do Rei de Inglaterra, Eduardo VII.
Em 1887, Ressano Garcia, engenheiro da Câmara Municipal de Lisboa , propõe um concurso internacional de ideias, visando o arranjo paisagístico do local.

Lago do Parque Eduardo VII [1933] 
Ao fundo, a Rua Artilharia 1
 Festas da Semana dos Inválidos do Comércio
Fotógrafo não identificado, in Arquivo do Jornal O Século

Dos vinte e nove projectos concorrentes, em reunião de Câmara, a 5 de Fevereiro de 1895, a unanimidade da votação recaiu sobre o projecto apresentado por Henri Lusseau, projecto esse com uma estrutura de cariz romântico, traçando alguns lagos, implantando o «belveder», de acordo com a morfologia do terreno e a construção de um Palácio de Exposições e Festas.

Lago do Parque Eduardo VII [1932]
Ao fundo, o monumento ao Marquês de Pombal em construção
Regatas no lago do parque Eduardo VII, durante as festas dos vendedores de jornais

Fotógrafo não identificado, in Arquivo do Jornal O Século

O Parque era, na altura, cenário de feiras, de exposições e de divertimentos e, em 1929, constrói-se um grande lago, na zona pensada por Lusseau, a sul do actual Clube VII e junto dos portões de entrada.
(jf-avenidasnovas.pt)

Lago do Parque Eduardo VII [1940]
Ao fundo, a Rua Castilho
Eduardo Portugal, in AML

«Au Bonheur des Dames», «Perfumaria da Moda», ou simplesmente «Tatão»

Construída por J. P. Mesquita e ricamente decorada em talha por Jorge Pereira, pertenceu à família Pinto de Lima dona da Pastelaria Ferrari.
Instalada nos números 5-7 da Rua do Carmo, foi inaugurada no ano de 1909, com o nome de «Au Bonheur des Dames», título do romance do escritor francês Émile Zola, publicado em 1883. Em 1917 o nome de «Au Bonheur des Dames» deste estabelecimento é mudado para «Perfumaria da Moda».
Infelizmente no incêndio do Chiado de 25 de Agosto de 1988 este estabelecimento foi consumido pelas chamas.

Au Bonheur des Dame, Perfumaria da Moda [ant. 1940]
Rua do Carmo, 5-7

Estúdio Mário Novais, in Biblioteca de Arte da F.C.G.

Depois de funcionar provisoriamente na «Pompadour» na rua Garrett, até à reconstrução do edifício original, já não reabriu como perfumaria mas sim como loja de vestuário de seu nome «Empório Chiado».
Serviu também de cenário ao célebre filme de António Lopes Ribeiro, de 1941, «O Pai Tirano».

Au Bonheur des Dame, Perfumaria da Moda [ant. 1940]
Rua do Carmo, 5-7; Rua Garrett

Estúdio Mário Novais, in Biblioteca de Arte da F.C.G.

Thursday, 28 January 2016

Palácio Dona Rosa

« Ora eis-nos no Largo de D. Rosa, que deriva o nome dêsse prédio, também de solar antigo, sob o qual se abre o Arco e sobem as Escadinhas daquela designação. Quem foi essa D. Rosa — custa-me confessar-to — não o sei, e já o soube; (...)» [1]

Norberto de Araújo poderá ter-se esquecido quem foi a Dona Rosa que deu nome ao sítio. Cabe-nos, pois, na medida do possível, tentar lançar alguma luz sobre este tema.  
Este prédio setecentista, solar antigo - conhecido por Palácio Dona Rosa -assente sobre uma estrutura pré-pombalina, terá pertencido a Dona Rosa Mello de Castro da Costa Mendonça e Sousa, Morgada do Alcube e de Colares, detentora do ofício hereditário de Porteiro-mor do Reino, senhora de enorme fortuna e «bem conhecida da alta sociedade lisbonense», [2] que, além desta Casa em.Alfama, era igualmente proprietária do Palácio do Cunhal das Bolas, ao Bairro Alto e o das Portas do Sol (Palácio Azurara) onde estão as Oficinas da Fundação Ricardo Espírito Santo. [3]

Palácio da Dona Rosa [c. 1900]
Rua dos Remédios, 139-139A;à esquerda a antiga capela depois taverna; Escadinhas do Arco da Dona Rosa;

Fotógrafo não identificado, in AML

Um olhar mais atento à fachada exterior do nº 139 da Rua dos Remédios deixa antever que, no séc. XVIII, ostentava notória beleza arquitectónica. Um interessantíssimo exemplar de casa apalaçada urbana sobretudo pela articulação dos dois corpos da fachada (habitação e capela) através do Arco Dona Rosa e Escadinhas daquela designação. A cruz e os pináculos que coroavam a fachada foram retirados. Cerca 1880, o púlpito e o tecto de madeira com pinturas em tela foram transferidas para uma igreja em Alhandra, ficando apenas com os painéis de azulejos barrocos das antigas capela (depois taverna) e sacristia. Do portal principal, flanqueado por dois grandes vãos de janelas gradeadas, acede-se ao pátio que foi nobre, e que, por sua vez, abre sobre um logradouro: o Largo de D. Rosa. Em 1924, o prédio (já desfigurado) foi vendido a outros proprietários, tendo sido transformado num conjunto de habitações. Actualmente decorre uma empreitada de recuperação, restauro e reabilitação do conjunto de edifícios destinados a habitação.

Rua dos Remédios, 139-139A [c. 1900]
Escadas de acesso ao pátio e terreiro do Palácio da Dona Rosa

Fotógrafo não identificado, in AML

[1] ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. X p. 100
[2] CASTILHO, Júlio de, Lisboa Antiga
[3] CASSIANO NEVES, Pedro Mascarenhas, Casas e Palácios de Lisboa: Pedras d'Armas

Wednesday, 27 January 2016

O Retiro Perna de Pau e a história da gorda Gertrudes

«Mais adiante e à dir., [da Pç. do Areeiro] a Perna de Pau, um dos sítios mais freqüentados das hortas alfacinhas, com o seu registo de azulejos embebido na fachada da casa, a sua nora gemedora e o seu panorama característico de arrabalde lisboeta, onde predominam o olival e o verde claro das terras de regadio.
Êste local de tradições de boémia e estúrdia de há 50 anos, nele se têm feito desgarradas à guitarra e esperas de touros, com todo o pitoresco destes folguedos.» [1]

Retiro Perna de Pau junto ao apeadeiro do Areeiro na antiga Estrada de Sacavém [c. 1900]
Esta afamada casa de pasto situava-se no actual Largo Cristóvão Aires, perpendicular à Rua Gilhermina Suggia.
Aberto Carlos Lima, in AML
 
« Diz uma tradição que nós mesmos colhemos da bôca de uma vizinha da Orta, que o Perna de Pau fôra um antigo dono ou rendeiro do casal. Uma sexagenária que ajudava à cozinha nos dias de grande concorrência, quando as nacionais «pescadinhas de rabo na bôca»  chiavam tôda a tarde na sertã, foi quem nos esboçou a personagem do quinteiro, que ela aliás não conhecera, a quem um desastre esmagara a perna, figura humilde e apagada que a Fatalidade celebrizou, perpetuando a perna que não era dêle.

Retiro Perna de Pau junto ao apeadeiro do Areeiro na antiga Estrada de Sacavém [c. 1916]
Esta afamada casa de pasto situava-se no actual Largo Cristóvão Aires, perpendicular à Rua Gilhermina Suggia.
Paulo Guedes, in AML

A nossa informadora, estamos agora em crer, fêz uma lamentável confusão de sexos. Não se trata de um quinteiro mas de uma quinteira, não de um sinistrado mas de uma sinistrada. Quem, segundo a outra versão, mais certa, deu nome à saudosa Orta da estrada de Sacavém, foi a sua mesma proprietária, a obesa Gertrudes, que em 1833, geria aquela locanda dos subúrbios. E a perna perdeu-a ela por via de um tiro de escopeta. Foi o caso que a Gertrudes era afeiçoada aos liberais, e quando as tropas miguelistas do Marechal Bourmont se preparavam para atacar as barreiras da cidade onde os de D. Pedro já estavam, um soldado realista, de passagem pela orta veio pedir uma sêde de água à «malhada». A Gertrudes negou-lha. O miliciano era assomadiço. Pôs a arma à cara, e disparou. O tiro partiu e a bala cravou-se numa das pernas da quinteira. Tiveram de lha amputar, e mais tarde uma perna de pau veio substituí-la. Tal é a história.
Os anos rodaram; a identidade da gorda Gertrudes perdeu-se; a orta acabou com os seus «bródios» feriais, mas a perna permaneceu.» [2]

Retiro Perna de Pau junto ao apeadeiro do Areeiro na antiga Estrada de Sacavém [1939]
Esta afamada casa de pasto situava-se no actual Largo Cristóvão Aires, perpendicular à Rua Gilhermina Suggia.

Eduardo Portugal, in AML

Nas suas «Farpas», o erudito escritor Ramalho Ortigão diz, a propósito: «A «Perna de Pau», o restaurante célebre, bem conhecido de todos os estômagos com tendências bucólicas, impelidos pela nostalgia das hortas para fora de portas no tempo do tomate — organiza com os primores da estação, a nova lista dos seus acepipes. A talhe de foice, apresenta-se uma apetitosa ementa, da autoria de habilidosos artistas comensais:

Sopa de marisco será
O que primeiro comerá;
E logo em seguida virão
Bons pasteis de camarão;
Emborque-lhe: o branco vinho
Que o Monteiro dá, amiguinho.
Algum frango cm cabidela
E pr'a apanhar a piela
Regue'o co'a pinga danada
Que antes da vitela assada
O cidadão tem provado.
Vem sobremesa com ralé
Bebe-se logo o café,
E, se mal jantado ficar.
Vá àquela parte cear.
      Perna de Pau, 1 de Junho de 1912. 

Consta, igualmente, que as pescadinhas de rabo na boca, ornamentadas com raminhos de salsa, acompanhadas de salada de alface, eram do melhor que se comia em Lisboa. Diz-se, também, que entre os seus frequentadores, se encontravam elementos do grupo dos «Vencidos da Vida» e o pintor José Malhoa. Depois de ter passado por mais uns quantos proprietários, um mandado judicial determinou o seu encerramento c. 1930.

Passagem de nível na estrada de Sacavém, ao Areeiro, perto do retiro A Perna de Pau [194-]
Esta afamada casa de pasto situava-se no actual Largo Cristóvão Aires, perpendicular à Rua Gilhermina Suggia.

Eduardo Portugal, in AML

[1] (PROENÇA, Raúl, Guia de Portugal, Lisboa e arredores, 1923, p. 266)
[2] (SEQUEIRA, Gustavo de Matos, MACEDO, Luiz Pastor de, A Nossa Lisboa-Novidades Antigas Dadas ao Público, p. 46)


Tuesday, 26 January 2016

Avenida Guerra Junqueiro

Por deliberação camarária de 07/11/1929 e edital de 12/11/1929 a Avenida 12 passou a denominar-se Dr. António José de Almeida e esta passou a designar-se Avenida Guerra Junqueiro, conforme pode ler-se no ponto 5º do Edital de 18 de Julho de 1933: «Que a actual Avenida Dr. António José de Almeida, seja dada a designação de Avenida Guerra Junqueiro».

Avenida Guerra Junqueiro [195-]
António Passaporte, in AML

Abílio Manuel Guerra Junqueiro nasceu em 17 de Setembro de 1850 em Freixo de Espada à Cinta e faleceu em 7 de Julho de 1923, em Lisboa.
Licenciou-se em Direito em Coimbra, durante um período que coincidiu com o movimento de agitação ideológica em que eclodiu a Questão Coimbrã. Foi deputado, escritor e poeta. Manteve uma intensa escrita poética, aderiu ao partido Republicano e regressou à política com a implantação da República, tendo sido nomeado Ministro de Portugal em Berna.
A vida rural inspirou-lhe Os Simples (1892), a sua simpatia pelos pobres continua em Os Pobrezinhos, escreveu A Velhice do Padre Eterno, uma obra de sátira anticlerical e ainda dentro da sátira política Finis Patriae (1890).
Destaque ainda para A Morte de D. João (1874), poema simultaneamente panfletário, satírico e religioso e Oração à Luz (1904). [cm-lisboa.pt]

Avenida Guerra Junqueiro [195-]
António Passaporte, in AML

Loja das Meias

A Loja das Meias surgiu há mais de 100 anos, na esquina do Rossio com a Rua Augusta e durante muito tempo vendia somente meias e espartilhos. A história da Loja das Meias confunde-se muito naturalmente com a história da cidade de Lisboa. O local onde se situa o seu primeiro estabelecimento, no gaveto do Rossio com a Rua Augusta, tem sido o palco espontâneo do pulsar da capital. Todos os grandes acontecimentos, desde as visitas dos Chefes de Estado às manifestações políticas e sociais passaram à porta da Loja das Meias

Loja das Meias [1917]
Rua Augusta, 1-3; Praça Dom Pedro IV,  291-295
Fotógrafo não identificado, in AML

   Em 1925 ampliado o espaço por ocupação do primeiro andar, instalado o 1.º elevador em estabelecimentos comerciais e rasgadas as montras, introduzido o conceito de montra temática. Surgem os concursos de montras em que a Loja das Meias ganha numerosíssimos prémios.
   Em 1938 realizaram-se obras de modernização da loja, sob o risco do arq.º Raúl Lino e colaboração dos artistas plásticos mais famosos da época, tais como Fred Kradofer e Tomás de Mello, são remodeladas as fachadas exteriores, ampliada a Loja e criadas novas secções, sendo considerado então o mais «parisiense» e luxuoso do Rossio.

Loja das Meias [1917]
Rua Augusta, 1-3; Praça Dom Pedro IV,  291-295
Fotógrafo não identificado, in AML

   Com o advento da 2.ª Guerra Mundial passaram por Lisboa, e são clientes da Loja das Meias, personalidades como Primo de Rivera, Duque de Windsor, Elsa Schiaparelli, Jean Renoir, Guillermina Suggia, Barão de Rotschild, rei Humberto de Itália, Carol da Roménia, entre outros.

Loja das Meias [c. 1939]
Rua Augusta, 1-3; Praça Dom Pedro IV,  291-295
Fotógrafo não identificado, in AML

Monday, 25 January 2016

Avenida António Augusto de Aguiar e Rua Filipe Folque

Esta rua homenageia Filipe Folque (1800 1874), doutorado em Matemática desde 1826 e que nesse mesmo ano foi nomeado ajudante do director das obras do Mondego, e no seguinte, ajudante do Observatório da Universidade de Coimbra. A partir de 1840 foi lente de Astronomia e Geodesia na Escola Politécnica de Lisboa e professor de matemática dos filhos da rainha D. Maria II.

Avenida António Augusto de Aguiar e Rua Filipe Folque [1959]
Palacete Bensaúde [demolido]

Judah Benoliel, in AML

Depois, entre 1844 e 1870, Filipe Folque foi Director-geral dos Trabalhos Geodésicos do Reino e assim dirigiu entre 1856 e 1858 um levantamento topográfico de Lisboa (a Carta topographica da cidade de Lisboa, editada em 1878) e publicou diversos estudos como «Colecção de Tábuas para facilitar vários cálculos astronómicos e geodésicos» (1865) ou «Rapport sur les travaux géodésiques du Portugal et sur l’état actuel de ces mêmes travaux pour être présenté à la Comission Permanente de la Confèrence Internationale» (1868). (cm-lisboa.pt)

Rua Filipe Folque e Avenida António Augusto de Aguiar [1959]
Palacete Bensaúde
[demolido]
Judah Benoliel, in AML

Sunday, 24 January 2016

Travessa Água-da-Flor

Situada entre a Rua de São Pedro de Alcântara e a Rua da Rosa, trata-se de um arruamento que data da formação do Bairro Alto, muito embora, só apareça mencionado nos registos paroquiais de 1666. Anteriormente designado por Travessa da «Agoa do Frol». 

Travessa Água-da-Flor [c. 1900]
Esquina da  Rua do Diário de Notícias; ao fundo a Rua de São Pedro de Alcântara
Fotógrafo não identificado, in AML


O seu topónimo tem origem no facto de nesta artéria habitar um vendedor, ou um fabricante, deste afamada água perfumada feita com flores de laranjeira usada para aromatizar. Todavia, em 1880, ficou conhecida como sendo o local onde ocorreu o famoso «conto do vigário», cujo termo ainda hoje é tão familiar.
(MACEDO, Luiz Pastor de, Lisboa de Lés-a-Lés , vol I, p. 67)

Travessa Água-da-Flor [c. 1900]
Esquina da  Rua do Diário de Notíciass; ao fundo a Rua de São Pedro de Alcântara
Fotógrafo não identificado, in AML

Igreja de Nossa Senhora da Porciúncula, do Convento dos Barbadinhos

Antiga sede do Convento dos Barbadinhos Italianos, a igreja dedicada a Nossa Senhora da Porciúncula foi construída no reinado de D. João V, tendo ficado concluída em 1742. Com a extinção das ordens religiosas, esta igreja passou a paroquial de Sta. Engrácia, enquanto que a casa conventual está hoje dispersa por várias entidades e privados, tendo sido transformada numa «vila» com diversos moradores.

Igreja de Nossa Senhora da Porciúncula do Convento dos Barbadinhos [c. 1900]
Calçada dos Barbadinhos
Fotógrafo não identificado, in AML
 
A igreja, classificada como Imóvel de Interesse Público, desenvolve-se em 3 corpos: o central precedido por galilé de 3 arcadas gradeadas e encimadas por 3 janelas iluminantes; o lateral esquerdo com uma torre sineira construída no séc. XIX, que veio afectar o equilíbrio primitivo da estrutura; e o lateral direito rebaixado. No exterior podemos ainda observar, sobre a arcada central, uma pedra com as armas reais e, sobre a janela do meio, um nicho que acolhe uma escultura, em pedra, da padroeira. No interior merece destaque a total ausência de talha dourada em benefício da talha escura executada com madeira do Brasil.
 
Igreja de Nossa Senhora da Porciúncula do Convento dos Barbadinhos, interior [1959]
Calçada dos Barbadinhos
Armando Serôdio, in AML

Saturday, 23 January 2016

Escadinhas dos Terramotos

Passagem em escadaria entre a Rua do Arco do Carvalhão e a antiga estrada da circunvalação, actual Rua Maria Pia. As escadas começam ao lado do nº 143 da Rua do Arco do Carvalhão e findam defronte do nº 590 da Rua Maria Pia.
O topónimo advém da Ermida do Senhor Jesus dos Terramotos, situada na Rua Arco do Carvalhão, 118, junto às escadinhas. A ermida foi construída entre 1756 e 1798 e reconstruída em 1842. 

Escadinhas dos Terramotos. Rua do Arco do Carvalhão [ant. 1945]
Fernando Martinez Pozal, in AML

Antes de se chamar Rua do Arco do Carvalhão tinha o nome de «Rua do Sargento-Mór», como indica Norberto de Araújo nas suas Peregrinações em Lisboa.
Estes terrenos pertenciam a Sebastião José de Carvalho e Melo, ainda antes de ser Marquês de Pombal e Conde de Oeiras e estendiam-se desde a Cruz das Almas até à Rua Marquês de Fronteira. Era proprietário de casas, terras, olivais, pedreiras, nomeadamente a da Cascalheira, fornos de cal, moinhos e azenhas. «Carvalhão» era o nome pelo qual era conhecido o futuro Marquês de Pombal, o qual se compreende, pela quantidade de património que possuía nesta zona da cidade.

Escadinhas dos Terramotos. frades de pedra; Rua Maria Pia [ant. 1945]
Fernando Martinez Pozal, in AML

Palácio dos Duques de Cadaval

No extremo noroeste do Rossio existiam até c. 1880, o palácio, jardins e terrenos da Casa de Cadaval, dentro de um grande pátio na Rua do Príncipe (actual Rua 1º de Dezembro). Depois do Terramoto de 1755, em que foi completamente arrasado, foi reconstruido, ficando com a frente para a Rua do Príncipe (cf. 1ª foto), e a fachada principal voltada ao sul, para o Pátio do Duque (cf. 2ª foto), ou do Duque de Cadaval (v. Carta Topográfica). Foi demolido em 1880 para permitir a construção da estação do caminho de ferro do Rossio e do seu anexo, destinado originariamente a hospedaria e botequim.

Palácio dos Duques de Cadaval, Rua do Príncipe, actual Rua 1º de Dezembro [ant. 1880]
Fotógrafo: Estúdio Novais in AML

Palácio dos Duques de Cadaval, Rua do Príncipe, fachada virada a Norte, actual Largo Duque de Cadaval [ant. 1880]
Fotógrafo: Estúdio Novais in AML

Palácio dos Duques de Cadaval, Rua do Príncipe, fachada virada a Norte, actual Largo Duque de Cadaval [ant. 1880]
Fotógrafo: Estúdio Novais in AML
 Atlas da Carta Topográfica nº 36 de Lisboa de Filipe Folque, 1858, [fragnento]
Legenda:
- Vermelho: terrenos do palácio, jardins virados a Norte
- Azul: fachada principal voltada a Sul, para o Pátio do Duque, ou do Duque de Cadaval
- Verde: frente para a Rua do Príncipe (v. 1ª foto)


Friday, 22 January 2016

Rua do Amparo, Manteigaria União e Casa Suissa

Sucursal da antiga e popular Manteigaria União, sita na  Rua do Amparo,  interior datado 1900 e tecto pintado com querubins. Ao lado desta (à dir. na foto) ficava a pastelaria e salão de Chá «Casa Suissa», fundada por Isidro Lopes e Raul de Moura em 18 de Março de 1922, para exercer a actividade de «pastelaria, leitaria e seus derivados». Até então, funcionava neste local a «Casa Suissa», nome de 1910, mas aplicada um estabelecimento de fazendas e retrosaria.

Rua do Amparo [c. 1930]
Manteigaria União e Casa Suissa
Ferreira da Cunha, in AML

Praça de D. Pedro, 94-95, loja de ferragens Viúva Thiago da Silva


Na Praça D. Pedro IV (Rossio) tornejando para a Rua do Amparo, situava-se a antiga casa Viúva Thiago da Silva & Cª. Lda, nome de  1850, estabelecimentos de ferragens nacionais e estrangeiras e talheres, cutelarias e utensílios caseiros, «casa de muito crédito e freguesia».

Praça de D. Pedro, 94-95 [c. 1910]
[Rua do Amparo]

Joshua Benoliel, in AML


Praça de D. Pedro, 94-95 [c. 1910]
[Rua do Amparo]

Joshua Benoliel, in AML


Thursday, 21 January 2016

Cabeleireiro da Saúde, à Mouraria

A Rua da Mouraria é um topónimo que faz referência à zona da Mouraria. Este foi local onde ficavam encerrados entre-muros os muçulmanos. Com a extinção de judiarias e mourarias decretada por D. Manuel em 1496, a Mouraria de Lisboa tornou-se um arrabalde aberto e cristão onde já em 1551, segundo noticia Cristóvão Rodrigues de Oliveira havia artérias que persistiram até os nossos dias, como é o caso da Rua da Mouraria.

Cabeleireiro da Saúde [195-]
Rua da Mouraria, junto à Ermida de Nossa Senhora da Saúde
Judah Benoliel, in AML

Avenida da República, 74

Este edifício da Avenida da República com traça Art Deco é característico da nova malha urbana, que surgiu ao longo das duas primeiras décadas do séc. XX. Com data de construção de 1920, este prédio sofreu uma intervenção, em 2002, ao abrigo do programa «Recria». Sem esta recuperação o destino do prédio teria sido igual a muitos outros cuja derrocada foi acontecendo pela cidade.

Avenida da República, 74 [c. 1935]
Ferreira da Cunha, in AML

Wednesday, 20 January 2016

Avenida Almirante Gago Coutinho

Esta artéria quando da sua construção foi designada por prolongamento da Avenida Almirante Reis (Edital de 17/02/1947). Depois, como consta na informação municipal datada de 23/07/1956, passou a ser conhecida como Avenida do Aeroporto.
O Aero-Club de Portugal sugeriu em 23/07/1956 a atribuição do nome «Avenida Gago Coutinho - Sacadura Cabral» à Avenida do Aeroporto, mas a Comissão Municipal de Toponímia discordou porque « deverá seguir-se a orientação até agora adoptada de só se consagrarem na toponímia da cidade nomes de individualidades que tenham falecido há alguns anos, lembrando, entretanto, que o nome de Sacadura já se encontra atribuído a uma avenida da capital». 

Avenida do Aeroporto, actual Avenida Almirante Gago Coutinho [c. 1940]
Kurt Pinto, in AML

Gago Coutinho faleceu em 18 de Fevereiro de 1959 e no dia seguinte o Vereador Dr. Baêta Henriques interveio na reunião de Câmara, no sentido de se dar o nome de Gago Coutinho à Avenida do Aeroporto. A Comissão foi de parecer de que « o nome de Gago Coutinho seja atribuído a uma praça ou avenida de maior projecção do que a Avenida do Aeroporto e, possivelmente, junto ao Tejo, na freguesia da Ajuda ou Alcântara, onde aquele ilustre homem de ciência nasceu e viveu a maior parte da sua vida e partiu para a grande viagem que lhe deu renome Universal.» Mais tarde, na sua reunião de 23-06-1959 a Comissão de Toponímia acrescentou que «no entanto deixa ao superior critério do Excelentíssimo Presidente da Câmara a resolução do assunto.”»

Avenida do Aeroporto, actual  Avenida Almirante Gago Coutinho [1944]
Eduardo Portugal, in AML

Assim, desde 2 de Janeiro de 1960, esta via pública que detêm a legenda «Sábio e Herói da Navegação Aérea», homenageia Carlos Alberto Viegas Gago Coutinho (1869-1959), alfacinha que viveu na Rua da Esperança e foi um almirante pioneiro da aviação. 

Avenida Almirante Gago Coutinho [post. 1966]
Estúdio Horácio Novais. in Biblioteca de Arte da F.C.G.

A partir de 1917 tentou adaptar à aeronavegação os processos e instrumentos da navegação marítima, tendo criado em 1919, o famoso sextante que ostenta o seu nome. Publicou «A Náutica dos Descobrimentos» e com Sacadura Cabral realizou, de 30 de Março a 17 de Junho de 1922, a 1ª travessia aérea do Atlântico Sul, entre Lisboa e o Rio de Janeiro.
Por edital de 09/12/1989, o troço desta Avenida compreendido entre a Praça do Aeroporto (vulgo Rotunda do Relógio) e o Edifício do Aeroporto de Lisboa, passou a denominar-se Alameda das Comunidades Portuguesas.[cm-lisboa.pt]

Tuesday, 19 January 2016

Praça de Touros do Campo Pequeno

O olisipógrafo Norberto Araújo caracteriza da seguinte forma este emblemático monumento da capital:
 «É uma Praça bonita, decorativa, com suas cúpulas, janelas rasgadas, e a sua patina de tijolo mouro.[2]
A Praça do Campo Pequeno, no gosto árabe peninsular, não é um padrão — é uma reconstituição. Salvaguarda de costumes. Ela grita, exulta, guisalha, estoira foguetes, soa clarins, estridula fanfarras, por todas aquelas que a precederam: as arenas de Xabregas, de Belém, da Junqueira, do Rossio, do Terreiro do Paço; as praças do Salitre, do Campo de Santana, do Campo Pequeno velho. As touradas resistem. A Praça do Campo Pequeno é o torreão das pitorescas evocações alfacinhas, o testemunho de um pequeno elo que ligou a realeza, a nobreza e o povo na mesma exaltação de garbosidade e de valentia, do brio e do sangue escaldante da nossa gente. Lisboa sem uma praça de touros coxeava nas tradições.» [1]

Praça de Touros do Campo Pequeno [c. 1940]
Judah Benoliel, in AML

 «Este sítio do Campo Pequeno, que desde há séculos foi logradouro público, vasto eirado arrabaldino, no qual se realizavam exercícios militares, por vezes paradas, e feiras improvisadas, teve também praça de touros (século XVIII) por pouco tempo, rudimentar, de madeira, é claro, e que não dá crónica suficiente na história da tauromaquia, não passando de um episódio. De resto, em Lisboa «brincou-se aos touros» em todos os sítios, do oriente a ocidente, onde havia terreno livre; quatro tábuas, e estava pronta uma praça. [1]

Praça de Touros do Campo Pequeno [post. 1892]
Regimento de infantaria em exercícios

Chaves Cruz, in AML

São de 1741 as primeiras referências à realização de corridas de touros na zona do Campo Pequeno. Aqui foi inicialmente construída uma praça de Madeira, mas como tinha pouca capacidade começaram também a aparecer outras praças em diferentes pontos da cidade. 

Praça de Touros do Campo Pequeno [c.1892]
Francesco Rocchini , in AML

Foi então cedido, pelo Município de Lisboa, um terreno baldio na zona do Campo Pequeno onde, já no século XVIII, se tinham efectuado corridas de toiros. As obras de construção da Praça iniciaram-se no principio de 1891 tendo sido projectada pelo arquitecto António José Dias da Silva (1848-1912) e, em 18 de Agosto de 1892 a Praça de Toiros do Campo Pequeno - com a presença da Família Real - abriu as suas portas com uma gala, com pompa e a circunstância adaptada à exigência deste momento alto para a cidade de Lisboa. Actuaram os cavaleiros Fernando Tinoco e Fernando d'Oliveira com touros de Infante da Câmara. Desde então a sua monumentalidade e beleza são emblemas da cidade de Lisboa.

Praça de Touros do Campo Pequeno  [post. 1892]
Chaves Cruz, in AML

Este notável edifício foi concebido em estilo neo-árabe pelo arquitecto António José Dias da Silva. Tem uma estrutura circular toda em tijolo, com 4 cúpulas bolbosas de inspiração turca. O redondel tinha 80 m. de diâmetro, coberto com areia, vedado por uma cerca em madeira separada das bancadas por um corredor; estas estão dispostas em círculo, divididas em catorze talhões com 4000 lugares, e duas bancadas superior de cinco filas com estrutura de ferro, tendo, respectivamente, 2100 e 860 lugares. 


Praça de Touros do Campo Pequeno  [c. 1951]
António Passaporte, in AML

São encimadas por camarotes e galerias, tendo capacidade para 8438 espectadores que se distribuíam pelas duas ordens dos 165 camarotes e galerias.Encerrada ao público em Junho de 2000, devido ao seu avançado estado de degradação, foi objecto de obras de remodelação, segundo projecto do arq. José Bruschy, com a colaboração dos arquitectos Pedro Fidalgo, Filomena Vicente, Lourenço Vicente, João Goes Ferreira e Gonçalo Teixeira, concluídas em 2006. 

Fotografia aérea da Praça de Touros do Campo Pequeno e arredores [c. 1940]
Judah Benoliel, in AML

O Campo Pequeno foi inaugurado com um espectáculo de Filipe La Féria a 16 de maio de 2006 e a 18 do mesmo mês com uma corrida de touros tradicional. Actualmente, o Campo Pequeno acumula a sua valência inicial, como praça de touros, com a de sala de espectáculos multiusos com capacidade para: 8770 pessoas., integrada num centro de lazer, que conta também com uma moderna galeria comercial e um parque de estacionamento subterrâneo.

[1] (ARAÚJO,Norberto de, Legendas de Lisboa, p. 83) 
[2](ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. XIV, p. 68)

Monday, 18 January 2016

Beco do Quebra Costas

«Subamos o Quebra Costas. As janelas e frestas que vês, à direita, são as do fundo das capelas do nascente do Claustro de D. Deniz [capelas da ala oriental do Claustro da Sé].»
(ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. X, p. 40)

Beco do Quebra Costas [c. 1945] 
A Rua de São João da Praça deve o seu nome a aí estar localizada a Igreja de São João da Praça
Fernando Martinez Pozal, in AML

O Beco do Quebra Costas - assim denominado desde 1823 - teve várias designações ao longo do tempo, a saber: «Beco q atraveça p.las costas da see (1565), Calçada detrás dos Paços do s.or Arcebispo (1651), Calçada detrás da Sé (1652), Calçadinha da Costa (adiante das Cruzes da Sé) (1727), Travessa do Quebra Costas (1801) e finalmente Beco do Quebra Costas (1823)
(MACEDO, Luís Pastor de, Lisboa de Lés a Lés) 

Sunday, 17 January 2016

Campo Grande, 78, esquina da Avenida da Igreja, 65

Chamado anteriormente de Campo de Alvalade, Campo 28 de Maio anteriormente Rua Ocidental do Campo Grande, este sítio foi escolhido, durante séculos, para a edificação de solares nobres e algumas vezes destinado a concentração de tropas, como as que D. Sebastião levou para Alcácer Quibir. O arvoredo que transformou o Campo Grande num dos parques mais aprazíveis de Lisboa foi mandado plantar no reinado de D. Maria I.
Só na década de quarenta do século XX, por edital de 23/12/1948, (...) voltou a denominar-se como Campo Grande, designação que se manteve até à actualidade.[cm-lisboa.pt]

Campo Grande, 78, esquina da Avenida da Igreja, 65 [c. 1958]
António Passaporte, in AML

Avenida da República, 36

Palacete situado frente ao Palacete Valmor, propriedade de Henrique Pereira Barreiros, da autoria do arqº Manuel Joaquim Norte Júnior, premiado com uma Menção Honrosa pelo júri do Prémio Valmor de 1908. Foi demolido nos anos 1949-1950, dando lugar a um prédio de habitação com 8 andares e lojas no piso térreo.

Avenida da República, 36, esquina da Av. Visconde de Valmor  [post. 1908]
Antiga Avenida Ressano Garcia (1910)Paulo Guedes, in AML

Diplomado pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, Manuel Joaquim Norte Júnior (1878-1962) é uma figura de enorme importância na construção da imagem arquitectónica de Lisboa e do país, contando com uma imensa produção edificada, dentro da qual vários Prémios Valmor. 
Arquitecto da Casa de Bragança, é também autor de vários projectos, entre os quais os da casa e atelier Malhoa, em Lisboa, o pavilhão D. Carlos no Buçaco, o Palace Hotel da Cúria, o Grande Hotel do Monte Estoril, o Hotel Paris no Estoril e o Palácio Fialho em Évora. A Sociedade a Voz do Operário em Lisboa e a Associação dos Empregados do Comércio em Lisboa, entre muitos outros edifícios e remodelações são também esboços deste importante arquitecto.
As suas obras desenvolveram-se por décadas - desde as de expressão Arte Nova às da fase Art Déco e Modernista – e o seu legado estende-se a outras cidades e vilas portuguesas, nomeadamente aos Açores, Azeitão, Bombarral, Buçaco, Cascais, Curia, Estarreja, Faro ou Sintra.

Avenida da República, 36 e 38, esquina da Av. Visconde de Valmor  [post. 1908]
Palacete Valmor Prémio Valmor de 1906; à direita, palacete  Barreiros Menção Honrosa do Prémio Valmor de 1908
Paulo Guedes, in AML
Web Analytics