Monday, 28 December 2015

Cadeia Penitenciária de Lisboa

De acordo com Norberto de Araújo, nas suas Peregrinações em Lisboa « A Penitenciária de Lisboa, um dos casarões mais tristes da cidade, e que bem demolida seria sem protestos de ninguém — tem sessenta e cinco anos de existência. (o autor escreve em 1939)

Construção da Cadeia Penitenciária de Lisboa {ant. 1885]
Rua Marquês de Fronteira
Redondo, o coração da estrutura Penitenciária radial

Francesco Rocchini, in AML

Construção da Cadeia Penitenciária de Lisboa {ant. 1885]
Rua Marquês de Fronteira

Francesco Rocchini, in AML

Construção da Cadeia Penitenciária de Lisboa {ant. 1885]
Rua Marquês de Fronteira

Francesco Rocchini, in AML

 A lei da pena de morte foi abolida em 1 de Julho de 1867 por Joaquim António de Aguiar. Em 24 de Abril de 1873 o Govêrno mandava construir uma Penitenciária, mas antes já havia sido escolhido o terreno das «Terras do Seabra»,  a-par de «Entremuros», existindo mesmo já um projecto, anterior à abolição da pena de morte, da autoria de Joaquim Júlio Pereira Caldas, continuado pelo engenheiro Le-Coq, do tipo francês.

Cadeia Penitenciária de Lisboa [c. 1897]
Rua Marquês de Fronteira
Fotografia onde se podem observar as torres por terminar, coroadas provisoriamente com uma espécie de cones

Fotógrafo não identificado, in AML

 Em 1874 o engenheiro Ricardo Júlio Ferraz foi à Inglaterra e à Bélgica estudar as prisões do modêlo penitenciário, e acabou, assim, por prevalecer para a iniciativa portuguesa sistema inglês de Birmingham; as obras principiaram naquêle ano, e só se concluíram em 1885. Os primeiros reclusos deram entrada em 2 de Setembro daquêle ano. 

Cadeia Penitenciária de Lisboa [190-]
Rua Marquês de Fronteira
Corpo central da fachada

Paulo Guedes, in AML

O edifício lúgubre tem a forma de uma estrêla, ao centro da qual, em rotunda existia até 1910 a Capela. Possue 474 celas, 22 de enfermaria e 12 de castigo. Com a proclamação da República o regime penitenciário pendeu muito do seu rigor; converteu-se a Penitenciária num estabelecimento de expiação e de trabalho, sendo abolidos os capuzes.» (ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, vol. XI, pp. 91-92)

Cadeia Penitenciária de Lisboa [1913]
Rua Marquês de Fronteira
Corpo central da fachada projectado pelo eng. Luís António de Carvalho

Joshua Benoliel, in AML

No comments:

Post a Comment

Web Analytics