Monday, 26 October 2015

Hospital (Sanatório) de Sant'Ana

O antigo Sanatório de Sant'Ana e actual Hospital Ortopédico, pertença da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, conserva a sua imponência arquitectónica, destacando-se pela longa fachada, paralela à avenida Marginal. Edificado no início do século XX (1902-1914), este edifício deixa adivinhar o gosto ecléctico que vigorava na arquitectura portuguesa de então, mas aliado, aqui, a uma profunda capacidade funcional, bem expressa na articulação de espaços, serviços e equipamentos.

Hospital de Sant'Ana [Início séc. XX]
Avenida Marginal; Avenida Vasco da Gama, Parede, Cascais

Fotógrafo não identificado, in AML

A história da construção do hospital foi, inicialmente, algo conturbada. Deve-se a sua iniciativa ao casal D. Amélia e Frederico Biester, que contaram desde logo com o apoio do reputado médico Dr. Sousa Martins. A questão dos sanatórios encontrava-se na ordem do dia, e o local escolhido preenchia os requisitos necessários para tais instituições. O primeiro projecto para o sanatório foi concebido por José António Gaspar, arquitecto professor na Academia de Belas Artes. Todavia, o falecimento dos fundadores levaram-no a abandonar a obra, que seria retomada pela herdeira de D. Amélia, Claudina de Freitas Chamiço. O arquitecto então chamado foi Rosendo Carvalheira, ao qual estavam ligados outros profissionais que também aqui intervieram. Eram eles Norte Júnior, António do Couto, Marques da Silva e Álvaro Machado. (...)

Aspecto das obras do Sanatório de Sant’Ana
na Parede, em Agosto de 1902, um ano depois da cerimónia de lançamento da primeira pedra


Outro aspecto das obras do Sanatório de
Sant’Ana, na Parede, em Agosto de 1902

De acordo com esta leitura, o novo arquitecto teria sido responsável pela introdução, nos planos anteriores, de uma maior e mais eficaz funcionalidade, que respeitava mesmo "as prescrições (...) para as construções hospitalares usadas desde 1901 em França e aconselhadas em Portugal desde 1902". Por outro lado, o moderno sistema de ventilação empregue foi elogiado nas revistas de arquitectura da época, destacando-se ainda a lavandaria anexa, que se liga ao edifício através de carris.
Lançada a primeira pedra a 7 de Agosto de 1901, o primeiro bloco foi inaugurado logo em 31 de Julho de 1904, muito embora o sanatório apenas ficasse concluído, na sua totalidade, em 1912. Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público. [in DGPC]

Capela do Sanatório de Sant’Ana [meados do século XX

1 comment:

  1. Hey there! I could have sworn I've been to this blog before but after browsing through
    some of the post I realized it's new to me. Anyhow, I'm definitely glad I found
    it and I'll be book-marking and checking back often!

    ReplyDelete

Web Analytics