quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Convento das Trinas do Rato (Convento das Trinitárias de Campolide)

O convento - que tinha a invocação de N. Senhora dos Remédios - foi fundado em 1633, por Manuel Gomes Elvas para recolhimento de senhoras de linhagem, e em número de 40, como revela a lápide de 1637, que se encontra sobre o portal maneirista. Instalado num local, considerado como zona de retiro, o edifício confinava com os terrenos dos padres oratorianos da Congregação de São Filipe de Neri. Teve como principais mecenas e responsáveis pela conclusão das obras, Manuel Correia de Lacerda  e Luís Gomes de Sá e Meneses, por alcunha «O Rato», que deu o nome ao recolhimento e ao actual largo. A decoração da igreja e do convento deveu-se à acção de D. Tomás de Almeida, 1º Cardeal Patriarca  de Lisboa, responsável também pela criação da actual freguesia de Santa Isabel. O traço arquitectónico do convento ainda se mantém já que o terramoto de 1755, pouco o afectou. Salienta-se o conjunto maneirista da capela-mor da igreja, em pedraria lavrada, com pinturas alusivas à Paixão de Cristo.

Convento das Trinas do Rato, fachada principal, Largo do Rato, [c. 1900]
Alberto Carlos Lima, in AML

De acordo com o olisipógrafo Norberto de Araújo  «o edifício, que pelo Terramoto alguma cousa sofreu, sendo prontamente reparado, foi reconstruído em 1885 pelo arquitecto Luiz Caetano Pedro de Ávila; em 1937-1938 novas transformações sofreu na fachada, desaparecendo então o ante-pátio fronteiro, que fôra  o terreiro do «Jôgo da Péla›, peculiar nas clausuras, e que chegara aos nossos dias transfigurado em serventia pública (ainda em 1936) com a esquadra, a taverna do «João do Canto›, e casas de habitação.»

Convento das Trinas do Rato, fachada principal, Largo do Rato, [1968]
Armando Serôdio, in AML

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics