quinta-feira, 25 de junho de 2015

Praia das Maçãs

Hotel Restaurant Royal Belle-Vue


O projecto e iniciativa estiveram a cargo de Eugène Levy. Traçaram-se novas ruas, macadamizaram-se estradas, regulamentaram-se as construções, organizaram-se os espaços, e, segundo um projecto do arquitecto Ventura Terra, proveu-se à construção do Hotel Royal Belle Vue, construído por Francisco dos Santos. Esperava-se que o referido Hotel impulsionasse o turismo balnear, tendo-se apostado, por isso, na higiene, elegância e conforto. 
O Hotel Royal possuía água potável, directamente canalizada para o restaurante, e iluminação eléctrica em todos os quartos. Foi destruído por um incêndio em 1921.
 
 Hotel Restaurant Royal Belle-Vue [c. 1913]
Praia das Maçãs
Joshua Benoliel, in Arquivo Jornal O Seculo
 
Em 1913, foi cenário de um "complot" levado a cabo por revolucionários do «Movimento 27 d'Abril» para assassinar — «a tiro ou à bomba» — Afonso Costa, chefe do governo, que ali se encontrava a banhos. O golpe foi frustrado pela intervenção da polícia, tendo sido detidos dois homens, Miguel Gaião e Jaime Granja, sindicalistas.

Hotel Restaurant Royal Belle-Vue [c. 1913]
Praia das Maçãs
Joshua Benoliel, in Arquivo Jornal O Seculo


Bibliografia
(Jornal O Século nº 9901, 10 Julho 1909, p. 3)
(Ilustração Portuguesa N.º 398, 6 Out. 1913)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics