quarta-feira, 10 de junho de 2015

A Ginjinha do Rossio teve bênção de um monge

A Ginjinha do Largo de São Domingos abriu portas em 1840 e mantém-se praticamente igual. Um pequeno balcão e dezenas de garrafas de licor. Nesta foto a grande diferença para os dias de hoje era a presença de engraxadores em frente à porta.

Largo de São Domingos [198-]
in Dário de Notícias

Desde 1840 que os lisboetas e os que visitam a capital vão ao Rossio para se confrontar com a pergunta: “Com ou sem elas.” A ginja, rigorosamente seleccionada, e a produção do licor está na Arruda dos Vinhos. O negócio vai na quinta geração da família Espinheira
«É mais fácil com uma mão dez estrelas agarrar, fazer o sol esfriar, reduzir o mundo a grude, mas ginja com tal virtude é difícil de encontrar.» O verso está escrito há mais de um século no balcão d’A Ginjinha. E terá quase tanto tempo como a lenda do monge da Igreja de Santo António, Francisco Espinheira. A história, que está contada à porta, diz que esta doce bebida nasceu da recomendação de um monge à família galega Espinheira para deixar fermentar ginjas dentro de aguardente, juntando-lhe açúcar, água e canela. Por ser uma bebida doce e barata tornou-se um êxito imediato, transformando a ginjinha na bebida típica de Lisboa.

Largo de São Domingos [post. 1970]
Vendo-se A Ginjinha, à esquerda, no prédio que torneja para o Rossio

Horácio Novais, in Biblioteca de Arte da F.C.G. 

Tem a Ginjinha do Rossio duas meias portas, onde se podem ver umas pinturas do actor Alexandre de Azevedo, antigo pintor de tabuletas, estão inscritos os seguintes versos, pelos quais o galego dono da casa pagou, «em bons tempos de penúria e quando o dinheiro era dinheiro, a soma de 5.000 reis» a Eduardo Fernandes  (ESCULÁ PIO) :
“Dona Prudência da Costa,
 Delambida e magrisela,
 Fez de ser tola uma aposta,
 Diz que ginginha nem vê-la
 Porque, coitada, não gosta.
 E a ama de um reverendo
 Que é das bandas da Barquinha
 Tem um aspecto tremendo,
 Bebe aos litros da ginginha
 E é isto que se está vendo.”

Recorda-nos o autor dos versos que «A pintura representa duas tipas a escorropichar copinhos, vendo-se, na outra mela porta e na mesma atitude, dois tipos, num dos quais o artista me quiz representar, mas com grande infelicidade».
O Mateus é um chóchinha
 Mais feio que um camafeu,
 Magro, tísico, um fuinha,
 Nunca na vida bebeu
 Nem um copo de ginginha.
 O Irmão, que sabe a virtude
 Desta divina ambrozia,
 É gordo como um almude,
 Bebe seis copos por dia,
 Por isso goza saúde.”
[1]
[1](in Olisipo : boletim do Grupo «Amigos de Lisboa», n.º 17, Janeiro 1942)

A Ginjinha, porta, Largo de São Domingos [1967]
Sid Kemer in AML

Sem comentários:

Enviar um comentário

Web Analytics